Tarifas reguladas na eletricidade vão manter-se em vigor por mais três anos depois de 2020

Com fim previsto a 31 de dezembro de 2020, o Governo vai manter em vigor as tarifas reguladas após o final deste ano durante mais três anos.

As tarifas reguladas no mercado de eletricidade em Portugal vão manter-se em vigor depois de 2020 durante mais três anos, anunciou hoje o Governo

O mercado regulado tinha o fim previsto para o final deste ano, mas vai continuar em vigor, segundo o ministro do Ambiente e da Transição Energética.

“É nossa intenção prorrogar as tarifas reguladas”, disse João Pedro Matos Fernandes esta terça-feira.

O ministro respondia a uma pergunta colocada pelo deputado Duarte Alves (PCP).

Ao contrário do mercado liberalizado, os preços no mercado regulado são estipulados anualmente pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), ao contrário do mercado liberalizado onde os preços são estipulados pelas empresas.

Este ano a tarifa regulada desceu 0,4% face ao ano anterior, segundo decisão tomada pelo regulador no final de 2019.

O mercado de eletricidade em Portugal conta com um total de seis milhões de consumidores. Do total, o mercado regulado conta com mais de um milhão de consumidores

No mercado regulado, o serviço é prestado pela EDP Serviço Universal, enquanto que o mercado liberalizado conta com mais de 20 empresas comercializadoras.

Ler mais
Recomendadas

PremiumCEO da Transavia: “Portugal é o nosso primeiro mercado”

Nathalie Stubler diz que as medidas tomadas no nosso país facilitaram a reabertura das operações.

Ministro britânico afirma que Huawei deverá reunir condições para desenvolvimento do 5G

“Tenho certeza de que o Conselho de Segurança Nacional analisará essas mesmas condições e tomará a decisão certa, para garantir que temos uma infraestrutura de telecomunicações muito forte, mas também segura”, disse este domingo Matt Hancock.

Empresas portuguesas podem pagar menos impostos em Angola

O governo angolano considera que o objetivo fundamental das alterações fiscais é “tornar ou desonerar a carga fiscal nos rendimentos mais baixos, conservar ou manter a carga fiscal dos rendimentos de escalões intermédios e introduzir progressividade nos rendimentos mais altos”.
Comentários