Taxas Euribor caem a três meses, a seis e a 12 meses

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, desceu hoje para -0,337%, menos 0,004 pontos e contra o atual mínimo de sempre, de -0,448%.

As taxas Euribor desceram hoje a três meses, a seis e a 12 meses em relação a segunda-feira.

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, desceu hoje para -0,337%, menos 0,004 pontos e contra o atual mínimo de sempre, de -0,448%, verificado em 03 de setembro.

No mesmo sentido, no prazo de 12 meses, a taxa Euribor recuou, ao ser fixada em -0,270%, menos 0,010 pontos e contra o atual mínimo, de -0,399%, em 21 de agosto.

A Euribor a três meses também desceu hoje, para -0,401%, menos 0,003 pontos e contra o atual mínimo de sempre, de -0,448%, registado em 03 de setembro.

A evolução das taxas de juro Euribor está intimamente ligada às subidas ou descidas das taxas de juro diretoras do Banco Central Europeu (BCE).

As taxas Euribor acentuaram o valor negativo depois da indicação de Frankfurt de que vai manter as taxas de juro diretoras nos níveis baixos, em vez das subidas que se perspetivavam, e de que podem mesmo voltar a baixar, perante a pouca solidez do crescimento económico da zona euro.

A taxa de juro aplicada às principais operações de refinanciamento está em 0%, a taxa de facilidade permanente de cedência de liquidez em 0,25% e a taxa de facilidade permanente de depósito em -0,50%.

As taxas Euribor a três, a seis e a 12 meses entraram em terreno negativo em 2015, em 21 de abril, 06 de novembro e 05 de fevereiro, respetivamente.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

Ler mais

Recomendadas

Máscaras são dedutíveis no IRS apenas com fatura à parte

Apenas as máscaras de proteção respiratória compradas nas farmácias não precisam de outro comprovativo além da fatura habitual.

Maioria das empresas mantém intenções de aumentar número de colaboradores em 2021

Apesar de se observar a intenção de diminuir o número de contratações face ao que foi perspetivado em 2020, altura em que 80% das empresas do sector dos centros de serviços partilhados antecipava um aumento no número de colaboradores, o estudo da consultora de recursos humanos indica que 56% das empresas ainda mantém essa intenção.

Portugal tem 21 “top employers”. Saiba que empresas se destacam pelas práticas de gestão de pessoas

O estudo, que inclui organizações de todos os sectores em 120 países, também permite traçar tendências na gestão de recursos humanos. A encabeçar as prioridades está a saúde e bem-estar, que surge, não só relativamente à pandemia, mas também no que respeita à saúde mental e equilíbrio emocional dos colaboradores.
Comentários