Taxas Euribor mantêm-se a três meses e sobem a seis e a 12 meses

As taxas Euribor mantiveram-se esta quinta-feira a três meses e subiram a seis e a 12 meses em relação a quarta-feira.

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, subiu hoje para -0,375%, mais 0,009 pontos e contra o atual mínimo de sempre, de -0,448%, verificado em 03 de setembro.

No mesmo sentido, no prazo de 12 meses, a taxa Euribor avançou para -0,326%, mais 0,007 pontos e contra o atual mínimo, de -0,399%, em 21 de agosto.

A Euribor a três meses manteve-se, ao ser fixada de novo em -0,418%, contra o atual mínimo de sempre, igualmente de -0,448% e registado em 03 de setembro.

A evolução das taxas de juro Euribor está intimamente ligada às subidas ou descidas das taxas de juro diretoras do Banco Central Europeu (BCE).

As taxas Euribor acentuaram o valor negativo depois da indicação de Frankfurt de que vai manter as taxas de juro diretoras nos níveis baixos, em vez das subidas que se perspetivavam, e de que podem mesmo voltar a baixar, perante a pouca solidez do crescimento económico da zona euro.

A taxa de juro aplicada às principais operações de refinanciamento está em 0%, a taxa de facilidade permanente de cedência de liquidez em 0,25% e a taxa de facilidade permanente de depósito em -0,50%.

As taxas Euribor a três, a seis e a 12 meses entraram em terreno negativo em 2015, em 21 de abril, 06 de novembro e 05 de fevereiro, respetivamente.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

Ler mais
Recomendadas

Novos sinais de trânsito chegam às estradas portuguesas em abril de 2020

Alterações ao regulamento de sinalização de trânsito, hoje publicadas em Diário da República, indicam que a partir de 1 de abril de 2020 não podem ser colocados sinais novos que não estejam de acordo com as normas agora aprovadas.

Redução do malparado poderia aumentar PIB per capita em 12 pontos percentuais em dez anos

Estudo estima que alterações ao nível da qualidade da regulação também permitiriam que Portugal tivesse um maior crescimento económico, de mais de sete p.p. em dez anos, enquanto alterações no sistema legal e combate à corrupção poderiam contribuir para um aumento de mais de três p.p. do PIB per capita ao fim de dez anos.

Miguel Maya: “BCP já tem cinco mil operações por dia feitas por robôs”

“O BCP aprendeu com os erros do passado”, reconheceu o banqueiro. Miguel Maya disse que era preciso a tecnologia com a relação humana já que “a tecnologia é para servir a relação”, referiu.
Comentários