Taxas Euribor mantêm-se a três meses e sobem a seis e a 12 meses

As taxas Euribor mantiveram-se esta quinta-feira a três meses e subiram a seis e a 12 meses em relação a quarta-feira.

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, subiu hoje para -0,375%, mais 0,009 pontos e contra o atual mínimo de sempre, de -0,448%, verificado em 03 de setembro.

No mesmo sentido, no prazo de 12 meses, a taxa Euribor avançou para -0,326%, mais 0,007 pontos e contra o atual mínimo, de -0,399%, em 21 de agosto.

A Euribor a três meses manteve-se, ao ser fixada de novo em -0,418%, contra o atual mínimo de sempre, igualmente de -0,448% e registado em 03 de setembro.

A evolução das taxas de juro Euribor está intimamente ligada às subidas ou descidas das taxas de juro diretoras do Banco Central Europeu (BCE).

As taxas Euribor acentuaram o valor negativo depois da indicação de Frankfurt de que vai manter as taxas de juro diretoras nos níveis baixos, em vez das subidas que se perspetivavam, e de que podem mesmo voltar a baixar, perante a pouca solidez do crescimento económico da zona euro.

A taxa de juro aplicada às principais operações de refinanciamento está em 0%, a taxa de facilidade permanente de cedência de liquidez em 0,25% e a taxa de facilidade permanente de depósito em -0,50%.

As taxas Euribor a três, a seis e a 12 meses entraram em terreno negativo em 2015, em 21 de abril, 06 de novembro e 05 de fevereiro, respetivamente.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

Ler mais

Recomendadas

Graça Freitas: “Estádios com público esta época? Está dependente de avaliação rigorosa”

“Temos a capacidade de sermos flexíveis e de nos adaptarmos com medidas progressivas, vamos ter de continuar a avaliar a progressão da epidemia, em cada momento será feita a reavaliação do risco, como nos últimos meses, adaptam-se sempre as medidas ao risco presente, e ao que possa acontecer”, realçou a diretora da DGS.

Covid-19. 96% dos novos casos nas últimas 24 horas registados em Lisboa e Vale do Tejo

A nível nacional, o número de novos casos cresceu 0,61% para 32.700 casos, com o número de vítimas mortais a subir 0,99% para 1.424 óbitos.

Precários Inflexíveis lamentam atraso e exigência “irracional e insultuosa” no apoio a trabalhadores independentes

A associação critica ainda o facto de logo ao acederem ao formulário os trabalhadores independentes se depararem com a necessidade de subscrever uma nova frase na declaração sob compromisso de honra, que têm de confirmar logo no início do pedido, a de que retomarão “a atividade profissional no prazo de 8 dias, após a data de reabertura declarada pelo Governo, caso a mesma tenha estado suspensa ou encerrada devida ao surto de covid-19”.
Comentários