Tecnológicas animam Wall Street

A Apple teve um dia particularmente positivo nos mercados ao valorizar 3,68%, dias antes do evento, marcado para dia 25 deste mês, no qual a empresa de Cupertino vai anunciar uma televisão e um serviço de vídeo.

Andrew Kelly/Reuters

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque fecharam a sessão desta quinta-feira a negociar em alta. O setor tecnológico impulsionou os ganhos.

O S&P 5o0 subiu 1,11&, para 2.855,62 pontos; o tecnológico Nasdaq valorizou 1,52%, para 7.493,27 pontos; e o industrial Dow Jones ganhou 0,84%, para 25.962,51 pontos.

 

A Apple teve um dia particularmente positivo nos mercados ao valorizar 3,68%, dias antes do evento, marcado para dia 25 deste mês, no qual a empresa de Cupertino vai anunciar uma televisão e um serviço de vídeo. Estes dois novos segmentos deverão impulsionar as receitas da Apple e, simultaneamente, reduzir a dependência das vendas do iPhone.

A Needham elevou a cotação sobre Apple para stong buy, o que incentivou a compra dos títulos da empresa por parte dos investidores, e também aumentou o preço-alvo da ação, para 225 dólares, acima dos 180 dólares. A Needham justificou a decisão porque encara a Apple como uma empresa de ecossistema, em vez de uma empresa que apenas vende produtos diferentes.

A analista da Needham, Laura Martin, numa nota aos clientes e citada pela agência Reuters, revelou que antecipa melhores resultados da Apple dos segmentos dos “Serviços” e “Wearables, Home & Accessories”.

O Citigroup também aumentou o preço-alvo da Apple, de 180 dólares para 180 dólares, uma vez que antecipa que a empresa liderada por Tim Cook vai recomprar ações aos investidores (share buyback) e aumentar a distribuição de dividendos no próximo mês.

Nos semicondutores, destaque para a maior fabricante de chips para computadores, a Micron, que disparou 9,6% depois de ter apresentado resultados acima das expectativas. A empresa também anunciou que vai reduzir a produção de chips de forma a não reduzir a exposição à diminuição da procura.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está em queda. Em Londres, o Brent, referência para o mercado europeu, está a cair 1,18%, para 67,69 dólares, enquanto o West Texas Intermediate perde 0,61%, para 59,86 dólares.

 

Ler mais
Relacionadas

Wall Street em alta depois de a Fed manter as taxas de juro

Na indústria da saúde, a Biogen, gigante da biotecnologia, registou um tombo de mais de 27% depois de ter revelado que o seu medicamento experimental para combater a doença de Alzheimer não mostrou eficácia e a empresa parou o seu desenvolvimento.

34 anos depois, Wall Street volta a ‘vestir’ Levi Strauss. Regresso com subida superior a 30%

Para regressar aos mercados, a empresa colocou em circulação 36,66 milhões de ações, que chegaram aos investidores com um preço fixado de 17 dólares por título, um valor superior ao valor de referência fixado na oferta de saída que se situava entre os 14 e os 16 dólares.

Fed prepara-se para nuvens cinzentas na economia e assusta investidores

Na Europa o cenário foi ainda mais pessimista, com o Dax30 a perder 1,57% de valor, condicionado pela queda de quase -5% nos títulos da BMW por causa de um aviso na redução dos lucros, enquanto que a Bayer sofreu um mini crash no valor dos seus títulos, que recuaram perto de 10%, devido a um veredicto contra si num tribunal dos EUA que poderá levar a indemnizações na ordem dos $15 mil milhões.
Recomendadas

Wall Street animada à espera de boa época de resultados

Setor tecnológico impulsiona Nasdaq e o mercado antecipa que as empresas que vão apresentar os resultados do segundo trimestre aumentem os lucros em 1%. O mercado também espera que a Fed corte as taxas de juro depois da reunião de julho, o que está a impulsionar os índices bolsistas.

Tensões no Médio Oriente impulsionam subida de 1,23% do Brent

A cotação do Brent subiu devido às crescentes tensões com o Irão, que levam os investidores a recear interrupções nos canais de abastecimento de gás e petróleo a partir do Médio Oriente.

Com ou sem acordo, pouco importa. Brexit vai mesmo empurrar o Reino Unido para uma recessão, estima ‘think tank’

O Instituto Nacional de Investigação Económica e Social britânico revelou que o Brexit terá consequências nocivas para a economia britânica, independentemente de ser um Brexit duro ou um Brexit suave. Mas, o PIB britânico será 5% mais baixo no caso de um Brexit duro.
Comentários