“Temos professores a mais, infelizmente”. Rio defende o “redimensionar” da administração pública

“O lógico é que seja o segundo do Porto”, revelou também Rui Rio, quando questionado sobre qual o lugar que ocupará nas listas do PSD para as eleições legislativas de 6 de outubro.

O presidente do Partido Social-Democrata (PSD), Rui Rio, rejeitou a ideia de querer reduzir os funcionários da administração pública mas defendeu que o setor público “pode e deve” ser redimensionado à escala das necessidades do Estado português. “O mais importante é a arrumação dos funcionários públicos. Por exemplo, temos professores a mais, infelizmente”, afirmou Rui Rio à rádio Observador esta quinta-feira, 25 de julho, depois de ter sido questionado pela possibilidade de aumentos salariais na função pública.

O líder dos sociais-democratas  defendeu que deveria ser feita uma auditoria de gestão no setor público, “em termos de recursos humanos para gerir melhor”. Rio garantiu que, caso seja nomeado primeiro-ministro, vai promover esse tipo de auditorias. “Tem de ser feito, senão estamos a desperdiçar recursos”.

Sobre a possibilidade de vir a promover uma aumento do salário mínimo nacional (SMN), Rui Rio admitiu “que vai ser difícil”, devido a medidas de gestão que têm de ser impostas. Recentemente, o presidente do PSD defendeu que o SMN “tem de ser igual no público e no privado” e que em 2023, no final da próxima legislatura, ultrapasse os 700 euros. Em 2019, o SMN foi fixado nos 600 euros.

“Depende da nossa capacidade de conter a despesa corrente”, explicou. O social-democrata concluiu a ideia admitindo ser uma opção “emagrecer a administração pública”.

Já sobre as eleições, sobre qual o lugar que ocupará nas listas do PSD para as eleições legislativas de 6 de outubro, Rui Rio revelou: “O lógico é que seja o segundo do Porto”.

Questionado depois pelo seu polémico tweet, afirmando que o Partido Socialista (PS) tem copiado o PSD em matérias programáticas, Rui Rio explicou que “não se trata de cópia”, soluções em iguais matérias depois dos sociais-democratas.  “O PS só falou de carga fiscal depois do PSD apresentar uma reforma da carga fiscal”, disse.

Também indagado sobre se apoiaria a escolha do atual ministro das Finanças, Mário Centeno, para a liderar o Fundo Monetário Internacional (FMI), o presidente do PSD afirmou positivamente. “Se tiver condições para suceder a Christine Lagarde, com certeza que tem o meu apoio, obviamente que tem o meu apoio”.

Ler mais
Relacionadas

Incêndios: Rui Rio critica Governo por “alijar responsabilidades” e tentar culpar autarcas

O presidente do PSD, Rui Rio, criticou esta quarta-feira o Governo, liderado pelo socialista António Costa, por “alijar responsabilidades no combate aos incêndios, tentando culpar os presidentes de câmara, particularmente o de Mação”.

“Por vontade do presidente”. Rui Rio afasta Hugo Soares das listas para as eleições legislativas

Segundo fonte da distrital social-democrata, na reunião desta tarde entre a Federação Distrital do PSD Braga e o secretário-geral do partido, José Silvano, a lista à Assembleia da República não tem “nenhuma indicação” aprovada pela concelhia de Braga, “algo inédito”.

PSD defende salário mínimo nacional acima dos 700 euros em 2023

O líder social-democrata diz que esta medida, que vai constar no programa eleitoral do partido, é uma forma de “luta contra a pobreza”, que deve ser debatida em sede de concertação social.
Recomendadas

Parlamento chumba divulgação pública e integral da auditoria da Deloitte ao Novo Banco

O Parlamento chumbou esta quarta-feira o requerimento apresentado pelo Bloco de Esquerda que pedia a divulgação pública, imediata e integral do relatório da auditoria especial que a Deloitte realizou aos actos de gestão do BES/Novo Banco, com votos contra do PS e do PSD.

Plano 2020/2030: Parlamento debate hoje Plano de Recuperação e Resiliência

O parlamento debate hoje o Plano de Recuperação e Resiliência, cujas linhas gerais foram apresentadas na segunda-feira aos partidos e mereceram críticas da esquerda à direita, mas as forças políticas mostraram-se disponíveis para dar contributos.

Parlamento discute auditoria da Deloitte ao Novo Banco e alteração das regras de nomeação para Governador do BdP

Entre os 17 pontos em agenda que os deputados da COF vão discutir, quatro estão relacionados com a auditoria que a Deloitte fez aos actos de gestão BES/Novo Banco, estando ainda prevista a discussão e votação na especialidade do projeto-lei do PAN para alterar as regras de nomeação do Governador e membros do conselho de administração do Banco de Portugal.
Comentários