Tesla reduz preço do Modelo 3 na China pela terceira vez em dois meses

De acordo com o site chinês da fabricante de carros elétricos da Califórnia, os preços de alguns carros do Modelo 3 foram reduzidos até 7,6%. Atualmente este automóvel custa no país asiático 63 mil euros.

Pela terceira vez nos últimos dois meses a Tesla reduziu os seus preços na China. Depois de em novembro, a empresa ter baixado os preços dos Modelo X e Modelo S em 12 e 26 por cento, agora, e de acordo com o site chinês da fabricante de carros elétricos da Califórnia, os preços de alguns carros do Modelo 3 foram reduzidos até 7,6%. O preço deste modelo na China agora é de 63 mil euros.

A Tesla refere que está a “absorver uma parte significativa da tarifa para ajudar a tornar os carros mais acessíveis para os clientes na China”.

No início deste mês, a Tesla cortou os preços de seus modelos S e X depois do Ministério das Finanças da China ter suspendido as tarifas adicionais sobre veículos e peças automáticas fabricadas nos Estados Unidos por três meses a partir de janeiro, reduzindo o custo de importação de carros Tesla para venda na China.

Recomendadas

Açores em números. Economia regional representa 2% do PIB de Portugal

Uma casa neste arquipélago vale menos 146 euros por metro quadrado do que a média nacional. Só o município de Ponta Delgada tem poder de compra per capita superior à média do país. Estes e outros indicadores estatísticos neste retrato da região autónoma.

Banco central baixa previsão sobre queda da economia brasileira para 5%

As novas estimativas estão em linha com as projeções de agentes do mercado consultados semanalmente pelo Banco Central, que prevê uma retração económica de 5,05% no PIB brasileiro em 2020. O Brasil ainda recupera de uma grave recessão entre os anos de 2015 e 2016, período em que o PIB caiu sete pontos percentuais.

Wall Street aguenta, mas perdeu fôlego ao longo do dia

Os principais índices do outro lado do Atlântico estiveram a subir, mas no final do dia acabaram por ceder. Mesmo assim, dizem os analistas, os investidores continuam a confiar em novos estímulos à economia.
Comentários