Tesouro vai emitir até 1.250 milhões em dívida a 5 e 10 anos para reembolsar FMI

“O IGCP, E.P.E. vai realizar no próximo dia 14 de novembro pelas 10:30 horas dois leilões das OT [Obrigações do Tesouro] com maturidade em 25 de outubro de 2023 e 17 de outubro de 2028, com um montante indicativo global entre 1.000 milhões e 1.250 milhões de euros”, anunciou.

D.R.

O Tesouro vai na próxima quarta-feira ao mercado para angariar até 1.250 milhões de euros financiamento que irá ser direcionado para um reembolso antecipado ao Fundo Monetário Internacional (FMI), segundo anunciou esta sexta-feira, em comunicado.

“O IGCP, E.P.E. vai realizar no próximo dia 14 de novembro pelas 10:30 horas dois leilões das OT [Obrigações do Tesouro] com maturidade em 25 de outubro de 2023 e 17 de outubro de 2028, com um montante indicativo global entre 1.000 milhões e 1.250 milhões de euros”, informou a entidade.

O último leilão de OT a 10 anos aconteceu a 10 de outubro, quando o IGCP colocou 782 milhões de euros, com uma taxa de juro em 1,939%, o que representou um agravamento nos custos de financiamento do país para máximos de oito meses. A procura superou a oferta em 2,78 vezes.

No caso da dívida a cinco anos, a última emissão comparável é de 12 de setembro, sendo que o Tesouro colocou 328 milhões de euros com uma taxa de juro de 0,647%. Na altura, a procura foi 3,76 vezes superior à oferta.

Sobre a nova colocação que irá acontecer a próxima semana, a agência liderada por Cristina Casalinho acrescentou que “com este leilão, o IGCP tenciona pagar antecipadamente parte do empréstimo do FMI”.

No mês passado, o secretário de Estado Adjunto e das Finanças Ricardo Mourinho Félix tinha anunciado, em entrevista ao Jornal Económico, que o Governo pretendia pagar mais dois mil milhões ao FMI ainda este ano.

“Estou em crer que, se tudo correr de forma normal ainda este ano, poderemos fazer um pagamento que poderá ser de cerca de dois mil milhões de euros, portanto isso também é importante para a redução dos juros que vamos pagar”, disse, na altura, o secretário de Estado.

Ricardo Mourinho Félix: “Podemos pagar mais dois mil milhões ao FMI este ano”

Ricardo Mourinho Félix: “Podemos pagar mais dois mil milhões ao FMI este ano”

[Notícia atualizada às 13h15]

Ler mais
Relacionadas

PremiumRicardo Mourinho Félix: “Podemos pagar mais dois mil milhões ao FMI este ano”

O Orçamento do Estado para 2019 é prudente, cauteloso e permite enfrentar os vários riscos externos, como o fim dos estímulos monetários e a escalada das tensões comerciais, explica o governante.

PremiumTesouro vai emitir mais mil milhões de euros em 2019

O aumento das necessidades de financiamento do Estado e as amortizações vão levar o Tesouro a emitir mais dívida que no próximo ano, que em 2018. No entanto, ao Fundo Monetário Internacional, o ministério das_Finanças não antecipa reembolsos.

PremiumEmissão de dívida em moeda chinesa avança até junho

Portugal prepara-se para colocar 377 milhões de euros em Obrigações em renminbi para alargar a base de investidores. A data exata irá depender das condições de mercado, do apetite dos investidores e das necessidades de financiamento do país.
Recomendadas

Wall Street fecha no ‘vermelho’ após Fed pedir paciência sobre os juros

As atas da última reunião do Comité Federal de Mercado Aberto da Fed consideram a debilidade na inflação como “transitória”. Mas, entre os três principais índices de Wall Street, reinou o pessimismo.

Fed: reuniões apontam debilidade na inflação como “transitória”

De acordo com as conclusões retiradas do encontro que teve lugar a 30 de abril e 1 de maio, os principais responsáveis pelo grupo que define a política monetária norte-americana determinaram que manter a paciência “é a postura adequada” neste momento.

PSI 20 fecha em queda apesar da valorização de quase 3% dos CTT e da Corticeira Amorim

A Bolsa de Lisboa fechou em queda num dia em que na Europa a sessão foi marcada pelo sector bancário que foi novamente penalizado pela debilidade dos bancos italianos. Nas subidas, o destaque vai para os CTT e para a Corticeira Amorim.
Comentários