Testes de ‘stress’ do BCE analisaram Novo Banco entre os 51 médios e pequenos bancos abrangidos

De acordo com os dados publicados pela instituição, o banco liderado por António Ramalho poderia, num cenário adverso, perder entre 600 e 899 pontos base e atingir um CET1 ‘fully loaded’, ou seja, tendo em conta futuras exigências de capital, abaixo de 8%.

O Banco Central Europeu (BCE) revelou os resultados dos seus testes de ‘stress’, que abrangeram 51 médios e pequenos bancos europeus, incluindo o Novo Banco, segundo adiantou a instituição com sede em Frankfurt num comunicado.

De acordo com a instituição, que revelou estes resultados no mesmo dia em que a Autoridade Bancária Europeia (EBA) também divulgou os resultados dos seus testes de resistência, o rácio Core Tier 1 (CET1) final para 89 bancos, num cenário adverso a três anos seria de 9,9%, uma queda de 5,2 pontos percentuais face a um ponto de partida de 15,1%.

Estes dados incluem 38 bancos da amostra da EBA, e pela primeira vez, mais 51 instituições de dimensão média e pequena, supervisionados pelo BCE, entre os quais o Novo Banco.

De acordo com os dados publicados pela instituição, o banco liderado por António Ramalho poderia, num cenário adverso, perder entre 600 e 899 pontos base e atingir um CET1 ‘fully loaded’, ou seja, tendo em conta futuras exigências de capital, abaixo de 8%.

De acordo com o BCE, no geral dos testes de ‘stress’, os principais fatores para a deterioração dos rácios de capital seriam os riscos de crédito, o risco do mercado e a capacidade de geração de rendimento.

O BCE acredita que “os bancos estão numa melhor forma no início deste exercício do que estavam há três anos”, mas alertou para um aumento da deterioração dos rácios “a nível do sistema”, visto que o cenário usado foi pior do que o usado nos testes de 2018.

O BCE revelou ainda que, no caso da amostra de 38 bancos também testada pela EBA, a média do rácio CET1 caiu cinco pontos percentuais de 14,7% para 9,7%.

Já para as 51 instituições de dimensão mais pequena, a queda atingiu os 6,8 pontos percentuais, para 11,3%, de um ponto de partida de 18,1%.

A principal razão para estas diferenças no cenário adverso, disse o BCE, é que os bancos de tamanho médio são mais afetados por juros baixos, comissões reduzidas e menos rentabilidade no mercado num horizonte de três anos.

“Apesar da resiliência generalizada do sistema bancário, emergiram novos desafios relacionados com a pandemia de covid-19 e os bancos devem assegurar que avaliam e gerem adequadamente o risco de crédito”, indicou o BCE.

Relacionadas

CEO da CGD: “Sabemos que o nosso resultado dos testes de stress é claramente satisfatório”

“Sabemos que o nosso resultado em termos absolutos é claramente satisfatório”, adiantou, na conferência de imprensa de apresentação de resultados do banco, o presidente da Comissão Executiva da CGD, Paulo Macedo.

BCP com rácio de capital abaixo de 9% em cenário adverso, diz EBA

Num cenário muito severo, o setor bancário da União Europeia iria manter-se acima do rácio CET1 de 10%, diz EBA. O português BCP, que foi testado, fica abaixo. O BCP ficaria, em 2023, num cenário adverso com um CET1 “fully loaded” de 8,14%, face ao cenário base com que partiu, em 2020, de 12,2%.

Caixa Geral de Depósitos e BCP passam nos testes de ‘stress’ da EBA

No caso do BCP, o teste revelou que o banco, num cenário de situação adversa, ficaria com um CET1 ‘fully loaded’, ou seja, tendo em conta futuras exigências de capital, de 8,14% em 2023, uma redução de 406 pontos base em relação ao cenário do final de 2020, de 12,20%. 
Recomendadas

Caixa não pode “descurar o rigor” nem cometer “erros” após boas notícias, diz Paulo Macedo

“Se a Caixa se mantiver competitiva, se a Caixa assegurar uma boa ‘governance’, se a Caixa mantiver um rigor de crédito e melhorar as suas práticas e cada vez tiver mais próxima do cliente, se não fizer o oposto disto, eu acho que apesar do negócio bancário estar muito difícil, e dos proveitos ‘core’ bancários preverem-se estar estagnados, a Caixa tem uma boa base para prosseguir o seu caminho”, disse o CEO da CGD.

Impacto do fim das moratórias na banca será menor que esperado, diz CEO da CGD

“O final das moratórias afetará muitas empresas e muitos particulares – por exemplo no caso da CGD houve mais de 2.000 pessoas que nos pediram para restruturar os seus créditos e, portanto, restruturámo-los -, mas em termos macroeconómicos diria não se espera que o fim das moratórias cause um problema nos bancos, como estava dito, ou cause um problema enorme”, disse Paulo Macedo.

Moody’s melhora rating de seis bancos portugueses

A Moody’s realizou hoje ações de rating em seis grupos bancários portugueses – CGD, BCP, Santander, Novo Banco, BPI e Crédito Agrícola. A agência elevou as classificações de depósito de longo prazo de quatro bancos e a classificação de dívida sénior sem garantia (unsecured) de um banco. Também mudou a perspectiva dos ratings de depósito de longo prazo de três bancos e dos ratings de dívida sénior não garantida de um banco.
Comentários