Tire aqui as suas dúvidas sobre contratos de contas à ordem

Sempre que pretender contratar a abertura de uma conta bancária à ordem, nomeadamente através dos canais digitais deverá aceder ou receber um conjunto de documentos com informação detalhada sobre o produto objeto do contrato a assinar.

Em tempos de pandemia, a banca digital ganhou maior importância.  Abrir uma conta à ordem online é uma realidade.

Nos dias de hoje é quase impossível viver sem uma conta à ordem. Se há algum tempo atrás abrir uma conta à ordem implicava que o consumidor se deslocasse à dependência bancária, hoje a realidade é diferente. Várias instituições bancárias possibilitam a abertura da conta à ordem através dos canais digitais, podendo assim o consumidor tratar do processo na comodidade da sua casa.

Uma maior abrangência das operações bancárias realizáveis através das plataformas digitais, conjugada com a atual situação de pandemia provocada pela Covid-19 e a consequente promoção da utilização dos canais digitais, tornou a opção online a escolha mais frequente dos consumidores que pretendem abrir uma conta à ordem.

Contudo, para que o consumidor tome uma decisão consciente face às diferentes ofertas do mercado, deverá aceder a um conjunto de informação essencial para que faça uma escolha adequada à sua situação específica. Referimo-nos à informação pré-contratual que as instituições bancárias obrigatoriamente devem disponibilizar ao consumidor.

Assim, sempre que pretender contratar a abertura de uma conta bancária à ordem, nomeadamente através dos canais digitais deverá aceder ou receber um conjunto de documentos com informação detalhada sobre o produto objeto do contrato a assinar. São eles:

Ficha de informação normalizada (FIN), documento que contém informação sobre todas as características da conta e que possibilita a comparação entre as diferentes ofertas de conta à ordem das várias instituições bancárias:

  • Formulário de Informação aos depositantes, documento que contém informação detalhada sobre o sistema de garantia de depósitos. Este é um mecanismo que protege os depositantes em caso de insolvência da instituição bancária, garantindo, dentro de determinados condicionamentos, o reembolso dos depósitos. O formulário disponibiliza informação sobre o limite desta proteção, entre os quais os depósitos abrangidos, prazo de reembolso dos depósitos e outras informações.
  • Documento de informação sobre comissões que contém informação específica acerca das comissões praticadas na conta à ordem que pretende contratar. Este é fornecido de forma individual e autónoma da FIN e do documento que contém as condições gerais do contrato de abertura de conta, permitindo uma análise e comparação das diferentes comissões bancárias, disponibilizadas na mesma instituição ou em outras instituições bancárias. Poderá ainda quanto a esta matéria consultar o comparador de comissões em https://clientebancario.bportugal.pt/pt-pt/aplicacao/comparador-de-comissoes.
  • Documento com as condições gerais do contrato de abertura de conta à ordem.

O consumidor deve ainda ser esclarecido sobre a possibilidade de abrir uma conta à ordem  de serviços mínimos bancários, bem como a possibilidade de converter a sua conta à ordem numa conta de serviços mínimos bancários.

Salientamos que toda a informação descrita deverá ser apresentada ao consumidor de forma gratuita e em suporte duradouro, seja presencialmente, seja através dos canais digitais.

Informe-se connosco.

Conte com o apoio da DECO MADEIRA através do número de telefone 968 800 489/291 146 520, do endereço eletrónico deco.madeira@deco.pt. Pode também marcar atendimento via skype. Siga-nos nas redes sociais Facebook, Twitter, Instagram, Linkedin e Youtube!

Ler mais
Recomendadas

Madeira: PS defende Plano Regional de Saúde Mental Escolar e mais recursos para os estabelecimentos de ensino

Na ótica do deputado socialista, este trabalho deverá ser feito não só dentro da escola, mas deve envolver também os centros de saúde, o SESARAM, outros técnicos e enfermeiros desta especialidade.

16% da população empregada da Madeira diz ter trabalhado a partir de casa

Daqueles que reportarem ter estado em teletrabalho, 88% diz que o principal motivo se deveu à pandemia, enquanto que no território nacional a percentagem subiu para os 91%.

Governo Regional da Madeira aprova 84 mil e 500 euros em contratos-programa

São três contratos-programa no valor de 60 mil, 15 mil e 9 mil e 500 euros.
Comentários