Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quarta-feira

Joe Biden toma posse como presidente dos Estados Unidos da América. Por cá, entram em vigor as novas medidas restritivas para conter a propagação da pandemia.

O evento em destaque esta quarta-feira, dia 20 de janeiro, é a tomada de posse de Joe Biden como presidente dos Estados Unidos da América (EUA).

Joe Biden toma posse esta quarta-feira como 46º presidente dos EUA, depois de ter vencido as eleições a 3 de novembro. Donald Trump, que demorou dois meses a reconhecer a vitória do adversário, ao contrário do vice-presidente cessante, Mike Pence, não irá à tomada de posse do sucessor  e irá mesmo abandonar Washington horas antes da tomada de posse.

Por cá, entram em vigor as novas medidas restritivas para conter a propagação da pandemia. O decreto-lei que reforça as normas do confinamento geral aprovadas em Conselho de Ministros na segunda-feira foi promulgado pelo Presidente da República e está em vigor desde a meia noite, depois de ter sido publicado em Diário da República.

Outros eventos em foco

  • Instituto Nacional de Estatística (INE) publica a síntese económica de conjuntura de dezembro de 2020
  • Banco de Portugal (BdP) dá a conhecer a posição de investimento internacional de Portugal no terceiro trimestre do ano passado
  • Eurostat divulga a inflação da zona euro relativa a dezembro de 2020
  • Banco Popular da China publica taxa de juro preferencial
  • Reino Unido dá conta da inflação de dezembro de 2020
  • Banco do Canadá apresenta decisão sobre a taxa de juro a curto prazo

Recomendadas

Fórum para a Competitividade estima queda de até 8,5% do PIB no primeiro trimestre

“O confinamento mais estrito, somado ao autoconfinamento, terão tido um impacto económico acentuado, visível já nos primeiros indicadores do ano. No turismo, houve deterioração de expectativas, já sem esperança em relação à Páscoa”, argumenta a entidade.

Lisboa Protege. Autarquia disponibiliza 20 milhões de apoio às empresas a partir de hoje

Esta fase do programa está orçada em 35 milhões de euros, sendo que 20 milhões são para os empresários com quebra de faturação superior a 25% nos três primeiros trimestres do ano passado ou na totalidade dos trimestres.

Dívida pública recuou em janeiro depois de ter atingido máximo histórico

A dívida recuou 600 milhões entre dezembro e janeiro refletindo “essencialmente amortizações de títulos de dívida, no valor de 0,3 mil milhões de euros, e a redução de responsabilidades em depósitos no valor de 0,2 mil milhões”, de acordo com o Banco de Portugal.
Comentários