Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quinta-feira

O grande destaque do dia vai para a Cimeira extraordinária convocada no mês de agosto pelo presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, que será realizada em Bruxelas com os diversos líderes europeus.

Esta quinta-feira, 24 de setembro, vai ficar marcada pela Cimeira extraordinária dos vários líderes europeus em Bruxelas, que havia sido convocada pelo presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, no mês de agosto.

Em debate vão estar temas relacionados com o mercado único, a política industrial e a transformação digital, bem como com as relações externas, nomeadamente as relações com a Turquia e com a China, mas também um balanço da situação da pandemia do coronavírus.

Ainda na Europa é conhecido o relatório mensal do Banco Central Europeu (BCE) sobre as perspetivas de crescimento, tendências de poupança e diversos problemas económicos. É também conhecido o PMI Industrial e de Serviços da zona euro, em setembro.

No território norte-americano, o dia ficará marcado por mais uma divulgação dos pedidos de subsídio de desemprego. Na semana passada registaram-se 860 mil pedidos ficando abaixo do um milhão pela terceira semana consecutiva.

O presidente da Reserva Federal (Fed) Jerome Powell fará um novo discurso perante a Comissão Económica Conjunta, em Washington. Esta quinta-feira são também esperadas declarações do Secretário do Tesouro, Steven Mnuchin.

Por cá, o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga as estatísticas de rendas da habitação ao nível local, do primeiro semestre. Já o Banco de Portugal (BdP) publica a sinopse de atividades de supervisão comportamental.

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 penalizado pelos prejuízos da Galp no arranque da sessão

O PSI 20 acompanha também a tendência das principais congéneres europeias, numa altura em que o número de infetados com o novo coronavírus continua a aumentar na Europa.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

A semana será marcada pela discussão e votação na generalidade do Orçamento do Estado para 2021. Os analistas e investidores estarão ainda atentos à reunião do Banco Central Europeu e aos sinais que chegam sobre a economia, através da publicação da estimativa rápida do PIB da zona euro, do terceiro trimestre.

Preço do petróleo mantém-se baixo para além de 2021, considera Banco Mundial

“Os preços do petróleo devem aumentar muito gradualmente face aos níveis atuais e chegar a uma média de 44 dólares em 2021, subindo face aos estimados 41 dólares por barril este ano, num contexto de uma recuperação lenta da procura e um abrandamento nas restrições à oferta”, lê-se no relatório sobre a evolução das matérias-primas.
Comentários