Topo da agenda: Saiba o que vai marcar a atualidade esta quarta-feira

O IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública realiza um leilão duplo de Bilhetes do Tesouro (BT) com maturidade até janeiro de 2021 (seis meses) e julho de 2021 (12 meses), com um montante indicativo global entre 1.500 milhões de euros e 1.750 milhões de euros.

Cristina Bernardo

Evento em destaque: Portugal vai mercado colocar até 1.750 milhões de euros em dívida de curto-prazo

O IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública realiza um leilão duplo de Bilhetes do Tesouro (BT) com maturidade até janeiro de 2021 (seis meses) e julho de 2021 (12 meses), com um montante indicativo global entre 1.500 milhões de euros e 1.750 milhões de euros.

Na última emissão a 12 meses, realizada em maio, o IGCP colocou mil milhões de euros, com uma taxa de -0,351%, voltando assim a financiar-se a taxas negativas nesta maturidade, depois de no leilão de abril a yield ter sido positiva (0,038%) pela primeira vez em três anos.

Outros eventos em foco:

  • INE prevê divulgar relatório sobre atividade turística relativo a maio de 2020;
  • Até quarta-feira, o Ministério Público emite o despacho de acusação a Ricardo Salgado por ter alegadamente liderado uma associação criminosa enquanto líder do Grupo Espírito Santo;
  • Reunião da OPEP+

Recomendadas

Bolsa de Lisboa em terreno negativo em linha com praças europeias

Novabase, Mota-Engil, CTT e BCP estão a cair mais de 1% na bolsa de Lisboa esta quinta-feira.

Wall Street fecha em baixa enquanto negociações sobre pacote de estímulos se arrastam

A tecnológica Snap disparou mais de 28% no fecho da sessão desta quarta-feira, para 36,50 dólares, depois de reportar os resultados do terceiro trimestre. A dona do Snapchat teve um aumento homólogo de 52,10% nas receitas, para 678,7 milhões de dólares.

CTT e Galp lideram perdas na bolsa de Lisboa. Europa fecha em queda com alertas de Lagarde

“A castigar o sentimento estiveram as declarações da presidente do BCE de que o aumento inesperado das infeções é um “risco claro” para as perspetivas económicas na região, à medida que o surto se continua a alastrar na Europa e os países aumentam restrições”, refere o analista de mercados do Millennium bcp.
Comentários