Toyota testa veículos autónomos e comunicantes até 2020

A Toyota anunciou que iniciará até 2020 os testes a modelos autónomos, elétricos e com capacidade de comunicar com os ocupantes. O modelo base foi apresentado no CES de 2017, em Las Vegas.

A Toyota deverá iniciar os testes com modelos autónomos, elétricos e dotados de inteligência artificial para interagir com os ocupantes, anunciou a marca esta segunda-feira, de acordo com o avançado pela Reuters.

O modelo que servirá de base a este novo veículo será o Concept-i, que foi apresentado no Consumer Electronics Show de Las Vegas (CES) e tem uma autonomia de 300 km. O modelo será capaz de conversar com os ocupantes da viatura, ao mesmo tempo que recolhe informações sobre as suas preferências, hábitos e emoções, através de sistemas de computação neural e da leitura das suas expressões faciais, bem como do seu tom de voz e das ações que leva a cabo. Com estas informações, o veículo será capaz de tomar os comandos do veículo sempre que necessário – por exemplo, depois de constatar que o condutor está demasiado cansado para conduzir – e também interagir com todos os ocupantes.

“Ao usar Inteligência Artificial, queremos expandir e melhorar a experiência de condução, voltando a fazer do automóvel um objeto de afetos”, afirmou Makoto Okabe, diretor geral da divisão de planeamento de veículos elétricos da marca. A Toyota já se comprometeu com o investimento de mil milhões de dólares no desenvolvimento de sistemas de inteligência artificial e condução autónoma, numa altura em que está cada vez mais acesa a luta entre os vários construtores e algumas empresas tecnológicas para produzir veículos autónomos e inteligentes.

Exemplos da aposta dos construtores neste segmento são o investimento de mil milhões de dólares da Ford na Argo AI, uma start-up que está a desenvolver um serviço de motorista a pedido com carros autónomos, exemplo que foi seguido pela General Motors, que também investiu em start-ups deste género. Além disso, a Honda Motor e o Softbank Corp anunciaram uma parceria para o desenvolvimento de tecnologia robótica humanoide em automóveis, com o objetivo de lhes permitir comunicar com os condutores.

Relacionadas

Testes de estrada de veículos autónomos começam na CREL em outubro de 2018

A par com Madrid e Paris, a capital portuguesa será palco de testes do projeto AUTOCITS, apresentado hoje em Oeiras numa sessão de trabalho organizada pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) e pela empresa tecnológica espanhola Indra.

Carros elétricos serão catalisador de mudança em todo o mundo

Quando combinados com sistemas de condução autónoma e novas ferramentas de mobilidade, os carros elétricos levarão a mudanças de fundo em todas as áreas de negócio ligadas ao automóvel. Da petrolífera à seguradora, passando pelo retalho e mesmo pelo estacionamento.

Aposta em novas tecnologias gera milhões no setor automóvel

Bosch e Aliança Renault-Nissan são os exemplos mais recentes de empresas que esperam colher grandes benefícios da sua aposta nas novas tecnologias ao serviço do setor automóvel. Conectividade e condução autónoma estarão no topo das listas de ambas e deverão valer cerca de 12 mil milhões de euros.

Samsung autorizada a testar carros autónomos na Califórnia

Empresa sul-coreana já pode efetuar testes nas estradas públicas do Estado norte-americano ao lado de empresas como a Apple, Ford e Nvidia.
Recomendadas

Emissões de gases com efeito de estufa aumentaram 18% na União Europeia

Os responsáveis pela maior parte das emissões de gases com efeito de estufa foram a indústria e construção, o fornecimento de eletricidade e a agricultura (14%), divulga o Eurostat.

Projeto de 31 milhões de euros para proteção florestal vai beneficiar 15 mil hectares

O projeto terá em conta também a redução do risco de incêndio, com a diversificação e combinação de espécies, criação de faixas de gestão de combustível e vigilância regular.

Premium“Não podemos ter mil hectares intervencionados com um enclave”, afirma secretário de Estado das Florestas

Arrendamento forçado é apontado pelo secretário de Estado das Florestas como garantia de que “ínfima minoria” não condicione áreas que podem travar incêndios e garantir apoios a produtores até agora excluídos desses rendimentos.
Comentários