Trabalhadores das subsidiárias da Cisco em Portugal compram mais nove mil ações

Esta subscrição de ações terminou com um valor total investido de pouco mais de 307 mil dólares, de acordo com a mesma informação prestada.

A Cisco revelou hoje à CMVM que no âmbito do “plano aquisição de ações pelos trabalhadores”, destinada a colaboradores de sociedades subsidiárias da Cisco Systems com sede na Europa, foram adquiridas cerca de 9,138 ações por trabalhadores elegíveis das subsidiárias da Cisco em Portugal.

Esta subscrição de ações terminou com um valor total investido de pouco mais de 307 mil dólares, de acordo com a mesma informação prestada.

“Relativamente à oferta designada por “Plano Aquisição de Ações pelos Trabalhadores (“ESPP”), reservada a trabalhadores de certas sociedades subsidiárias da Cisco Systems, Inc. com sede no Espaço Económico Europeu, a Cisco Systems, Inc. (“Cisco”) informa que os resultados da oferta realizada em Portugal, na sequência da notificação, cerca do dia 29 de Outubro de 2018, do prospecto No. 18-496 (o “Prospecto”):
Durante o período de seis meses da oferta, que se iniciou a 1st Janeiro 2019 e terminou a 30th Junho 2019, um total de 9,138 acções da Cisco, foram adquiridas no âmbito do ESPP, em Portugal, por trabalhadores elegíveis das subsidiárias da Cisco em Portugal, a um preço de 26.6303, 33.0130, 36.3885 ou 36.5075USD por ação, num total de 307,320.82USD”.

Recomendadas

Navigator nomeia dois novos administradores executivos

João Paulo Cabete Lé e Adriano Agusto Silveira são os novos administradores executivos no mandato do quadriénio em curso, com efeitos a 1 de Janeiro de 2020.

Jorge Calvete é o administrador judicial da Orey Antunes que pediu um PER

O prazo para a reclamação de créditos, começa a correr a partir da data da publicação do anúncio no Portal Citius, ou seja, 10 de dezembro de 2019. Os prazos são contínuos, não se suspendendo durante as férias judiciais.

Bankinter e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguro de créditos

O objetivo é permitir às empresas a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços em Portugal e no estrangeiro.
Comentários