Trabalhadores das subsidiárias da Cisco em Portugal compram mais nove mil ações

Esta subscrição de ações terminou com um valor total investido de pouco mais de 307 mil dólares, de acordo com a mesma informação prestada.

A Cisco revelou hoje à CMVM que no âmbito do “plano aquisição de ações pelos trabalhadores”, destinada a colaboradores de sociedades subsidiárias da Cisco Systems com sede na Europa, foram adquiridas cerca de 9,138 ações por trabalhadores elegíveis das subsidiárias da Cisco em Portugal.

Esta subscrição de ações terminou com um valor total investido de pouco mais de 307 mil dólares, de acordo com a mesma informação prestada.

“Relativamente à oferta designada por “Plano Aquisição de Ações pelos Trabalhadores (“ESPP”), reservada a trabalhadores de certas sociedades subsidiárias da Cisco Systems, Inc. com sede no Espaço Económico Europeu, a Cisco Systems, Inc. (“Cisco”) informa que os resultados da oferta realizada em Portugal, na sequência da notificação, cerca do dia 29 de Outubro de 2018, do prospecto No. 18-496 (o “Prospecto”):
Durante o período de seis meses da oferta, que se iniciou a 1st Janeiro 2019 e terminou a 30th Junho 2019, um total de 9,138 acções da Cisco, foram adquiridas no âmbito do ESPP, em Portugal, por trabalhadores elegíveis das subsidiárias da Cisco em Portugal, a um preço de 26.6303, 33.0130, 36.3885 ou 36.5075USD por ação, num total de 307,320.82USD”.

Recomendadas
pedro-pardal-henriques

Motoristas avançam com greve ao trabalho suplementar no início de setembro

O sindicato dos motoristas de matérias perigosas vai entregar hoje o pré-aviso de greve ao trabalho suplementar, após não chegarem a acordo com os patrões. “O único regime em que as pessoas podem fazer trabalho suplementar sem receberem é a Coreia do Norte”, disse Pardal Henriques.

Adivinhar o futuro

É necessário o relançamento de uma política fiscal que favoreça a atividade empresarial, sobretudo que permita o incremento da competitividade.

Dividir Google, Amazon, Facebook, Apple e Microsoft: o Oriente agradece

Atualmente, quando se pensa na divisão das megaempresas para ganhar terreno no plano concorrencial, não se pode pensar apenas no plano económico, também importa pensar no plano geopolítico.
Comentários