Trabalhadores das subsidiárias da Cisco em Portugal compram mais nove mil ações

Esta subscrição de ações terminou com um valor total investido de pouco mais de 307 mil dólares, de acordo com a mesma informação prestada.

A Cisco revelou hoje à CMVM que no âmbito do “plano aquisição de ações pelos trabalhadores”, destinada a colaboradores de sociedades subsidiárias da Cisco Systems com sede na Europa, foram adquiridas cerca de 9,138 ações por trabalhadores elegíveis das subsidiárias da Cisco em Portugal.

Esta subscrição de ações terminou com um valor total investido de pouco mais de 307 mil dólares, de acordo com a mesma informação prestada.

“Relativamente à oferta designada por “Plano Aquisição de Ações pelos Trabalhadores (“ESPP”), reservada a trabalhadores de certas sociedades subsidiárias da Cisco Systems, Inc. com sede no Espaço Económico Europeu, a Cisco Systems, Inc. (“Cisco”) informa que os resultados da oferta realizada em Portugal, na sequência da notificação, cerca do dia 29 de Outubro de 2018, do prospecto No. 18-496 (o “Prospecto”):
Durante o período de seis meses da oferta, que se iniciou a 1st Janeiro 2019 e terminou a 30th Junho 2019, um total de 9,138 acções da Cisco, foram adquiridas no âmbito do ESPP, em Portugal, por trabalhadores elegíveis das subsidiárias da Cisco em Portugal, a um preço de 26.6303, 33.0130, 36.3885 ou 36.5075USD por ação, num total de 307,320.82USD”.

Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Transportes Metropolitanos de Lisboa aprovado pelo Conselho Metropolitano

A Área Metropolitana de Lisboa detém a totalidade da empresa, que vai o património da empresa OTLIS – Operadores de Transportes da Região de Lisboa.
Comentários