Trabalho temporário: regras mais apertadas para empresas a partir de hoje

A lei que “combate as formas modernas de trabalho forçado” entra hoje em vigor.

Brian Snyder/Reuters

A partir de hoje, as empresas que recorrerem a empresas de trabalho temporário, bem como os seus administradores, gerentes e diretores, passam a ser diretamente responsáveis pelo pagamento de salários em atraso destes trabalhadores.

Na prática, tanto a empresa como os seus gestores passam responder pelo pagamento de salários se a empresa de trabalho temporário a que recorreram não pagar.

As novas regras estão previstas na lei 28/2016 que “combate as formas modernas de trabalho forçado” publicada há um mês no Diário da República.

Com a nova lei, deixa de existir a regra que responsabilizava a empresa e os seus gestores apenas pelos primeiros 12 meses de falta de pagamento de salários e contribuições.

“A empresa de trabalho temporário e o utilizador de trabalho temporário, bem como os respetivos gerentes, administradores ou diretores, assim como as sociedades que com a empresa de trabalho temporário ou com o utilizador se encontrem em relação de participações recíprocas, de domínio ou de grupo, são subsidiariamente responsáveis pelos créditos do trabalhador e pelos encargos sociais correspondentes, assim como pelo pagamento das respetivas coimas”, lê-se no diploma.

Também as empresas que contratam os serviços de outras empresas (outsourcing) terão de ter maior atenção ao cumprimento da lei laboral por parte destas últimas. É que as empresas contratantes, bem como os seus gestores, passam a ser responsabilizados por contraordenações laborais cometidas pelas subcontratadas, independentemente do grau da infração.

De acordo com a lei, “o contratante e o dono da obra, empresa ou exploração agrícola, bem como os respetivos gerentes, administradores ou diretores, assim como as sociedades que com o contratante, dono da obra, empresa ou exploração agrícola se encontrem em relação de participações recíprocas, de domínio ou de grupo, são solidariamente responsáveis pelo cumprimento das disposições legais e por eventuais violações cometidas pelo subcontratante que executa todo ou parte do contrato nas instalações daquele ou sob responsabilidade do mesmo, assim como pelo pagamento das respetivas coimas”

A lei mereceu duras críticas das confederações patronais que, num comunicado conjunto, consideraram na altura que, “para resolver um elenco reduzido de situações concretas, de si chocantes para todos, o legislador, em vez de nelas se focalizar, optou por um desprezo total aos enormes efeitos negativos que daí derivam para toda a economia.”

Também o Presidente da República, quando promulgou a lei, no início de agosto, disse ter  “dúvidas acerca da efetiva capacidade de o diploma enfrentar os verdadeiros problemas do trabalho forçado”. Contudo considerou importante “o objetivo invocado de disciplinar os abusos do trabalho temporário”.

 

Ler mais

Recomendadas

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

Leia todas as edições do Jornal Económico, na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o Jornal Económico. Apoie o jornalismo independente.

Governo anuncia linha de crédito de 50 milhões para microempresas de gestão de eventos

Os 50 milhões de euros foram anunciados pelo ministro da Economia no Parlamento, num exemplo de uma das áreas que, não sendo óbvia, enfrenta enormes dificuldades por orbitar em torno de um setor muito condicionado pela pandemia, o turismo. 20% dos 50 milhões de euros desta linha poderá passar a fundo perdido caso empresas mantenham o emprego no próximo ano.

Fórum para a Competitividade prevê queda do PIB até 12% este ano

Para o próximo ano, a entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa antevê uma recuperação do PIB entre 5% e 6%.
Comentários