Tráfego de mercadorias nos portos cabo-verdianos cresceu 12,6% em 2018

De acordo com a autoridade portuária de Cabo Verde, no ano passado, registou-se um “aumento robusto” de 109% nas escalas de navios cruzeiros, 199 escalas, e um acréscimo de 23,9% de passageiros.

Os portos cabo-verdianos registaram um crescimento de 12,6% no tráfego de mercadorias em 2018. No mesmo sentido, seguiram todos os outros segmentos de mercado, com “crescimento “sustentável”, com destaque para o “expressivo” aumento do movimento das mercadorias e o tráfego de cruzeiros”, avançou a ENAPOR, em comunicado.

De acordo com a autoridade portuária nacional, no ano passado, registou-se um “aumento robusto” de 109% nas escalas de navios cruzeiros, 199 escalas, e um acréscimo de 23,9% de passageiros, o equivalente a 47.099 turistas. Dados que a ENAPOR considera que reforçam a aposta de promoção de Cabo Verde como um emergente destino de cruzeiros.

A ENAPOR refere que o tráfego de mercadorias bateu um novo recorde, ao registar um movimento de 2.595.933 toneladas, um aumento de 12,6% em relação ao ano anterior. Também o movimento de navios atingiu 7.941 escalas e cresceu 8,7%, realçando um eloquente aumento do tráfego de longo curso em 1.668 escalas, o equivalente a 25,3%.

No que toca ao transbordo de pescado, um dos principais segmentos do negócio portuário, o aumento foi de 13,3% em escalas de navios. O número representa uma movimentação de cerca de 35.655 toneladas, um acréscimo de 7.219 toneladas em relação ao ano de 2017. Também no sentido ascendente esteve o tráfico de contentores, com uma movimentação de 86.059 TEU ́S, correspondendo a um aumento de 13,9%.

Recomendadas

Primeiro-ministro de Cabo Verde: “Não queremos criar modelo de turismo que aumente zonas de barracas”

Ulisses Correia e Silva disse que o governo cabo-verdiano está a investir 1,8 milhões de contos para dar qualidade e dignidade às zonas de barracas nas ilhas da Boavista e do Sal.

Partidos da oposição em Cabo Verde contestam meta de turistas

PAICV e UCID consideram que a meta de um milhão de turistas até 2021 não é ambiciosa, tendo em conta a potencialidades do país no setor.

Cabo Verde acredita que turismo étnico pode valorizar ilha de Santo Antão

Operadores turísticos e governo cabo-verdiano acham que a presença judaica na ilha traz oportunidades para desenvolver o local.
Comentários