Tráfego de mercadorias nos portos cabo-verdianos cresceu 12,6% em 2018

De acordo com a autoridade portuária de Cabo Verde, no ano passado, registou-se um “aumento robusto” de 109% nas escalas de navios cruzeiros, 199 escalas, e um acréscimo de 23,9% de passageiros.

Os portos cabo-verdianos registaram um crescimento de 12,6% no tráfego de mercadorias em 2018. No mesmo sentido, seguiram todos os outros segmentos de mercado, com “crescimento “sustentável”, com destaque para o “expressivo” aumento do movimento das mercadorias e o tráfego de cruzeiros”, avançou a ENAPOR, em comunicado.

De acordo com a autoridade portuária nacional, no ano passado, registou-se um “aumento robusto” de 109% nas escalas de navios cruzeiros, 199 escalas, e um acréscimo de 23,9% de passageiros, o equivalente a 47.099 turistas. Dados que a ENAPOR considera que reforçam a aposta de promoção de Cabo Verde como um emergente destino de cruzeiros.

A ENAPOR refere que o tráfego de mercadorias bateu um novo recorde, ao registar um movimento de 2.595.933 toneladas, um aumento de 12,6% em relação ao ano anterior. Também o movimento de navios atingiu 7.941 escalas e cresceu 8,7%, realçando um eloquente aumento do tráfego de longo curso em 1.668 escalas, o equivalente a 25,3%.

No que toca ao transbordo de pescado, um dos principais segmentos do negócio portuário, o aumento foi de 13,3% em escalas de navios. O número representa uma movimentação de cerca de 35.655 toneladas, um acréscimo de 7.219 toneladas em relação ao ano de 2017. Também no sentido ascendente esteve o tráfico de contentores, com uma movimentação de 86.059 TEU ́S, correspondendo a um aumento de 13,9%.

Recomendadas

Dívida pública de Cabo Verde aumenta para 131,3% do PIB no primeiro trimestre

Houve um acréscimo de 15,6 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano anterior, em resultado da crise económica causada pela pandemia.

CV Interilhas repensa renovação da frota

A empresa liderada pela Transinsular, do grupo português ETE, é concessionária desde 15 de 2019 do serviço público de transporte marítimo no arquipélago e em março, antes da crise sanitária, previa apresentar até junho passado uma solução global para renovação da frota.

Presidente de Cabo Verde pede ponderação ao Governo nas medidas para conter propagação do vírus

“Não tem sentido nenhum dizer-se que a Constituição é um empecilho para soluções eficazes contra a epidemia. Se nós dissemos que o estado de emergência não pode constituir um apagão democrático, muito menos o poderá consubstanciar qualquer outro estado”, afirma.
Comentários