Três escolas de negócios portuguesas entre as melhores da Europa em 2020

Nova SBE, Católica-Lisbon, e Porto Business School integram o prestigiado ranking das business schools do Financial Times, divulgada esta segunda-feira, 7 de dezembro. A lista é liderada, pelo segundo ano consecutivo, pela francesa HEC Paris.

Bruno Barbosa

Três escolas de negócios portuguesas – Nova SBE, Católica-Lisbon e Porto Business School  – consolidam a sua presença no Ranking das Escolas de Gestão Europeias do Financial Times de 2020. A lista é liderada pela escola de negócios francesa HEC Paris, que bisa o desempenho do ano anterior e deixa em segundo lugar a britânica London Business School.

O ranking das escolas de negócios é uma espécie de ranking dos rankings, uma vez que se baseia nas pontuações globais que cada escola obteve para cada classificação em que participa, como MBA, Educação Executiva, Mestrado em Gestão e EMBA.

Em 2020, a  Nova School of Business & Economics (Nova SBE) é 26.ª, tendo melhorado a sua performance em quatro lugares face ao ano passado.

“Este reconhecimento que coloca uma vez mais a Nova SBE no Top 30 das melhores escolas da Europa, resulta da aposta da escola num crescimento sustentado, numa cultura de inovação e excelência e na internacionalização nos mestrados e na formação de executivos”, afirma Daniel Traça, Dean da Nova SBE, em comunicado enviado às redações. E explica: “Temos ano após ano consolidado a nossa performance neste que é um dos mais reputados rankings mundiais, o que muito orgulha toda a nossa comunidade académica. Este reconhecimento traz-nos, como é natural, a responsabilidade de querer continuar a diferenciar-nos pela qualidade do nosso ensino, investigação e contributo para uma sociedade cada vez mais sustentável e global”.

No ranking 2020, a Católica Lisbon School of Business and Economics também sobe: é  31.ª, uma posição acima do obtido na última edição.

“É motivo de orgulho estarmos a subir no ranking das melhores business schools europeias e prestigiarmos Portugal com uma das escolas mais internacionais na Europa, líder na paridade do seu corpo docente, capaz de produzir conhecimento de excelência e com uma elevada qualidade de ensino. A Católica-Lisbon é verdadeira rampa de lançamento para uma carreira internacional de sucesso e com impacto na sociedade dos nossos alunos”, salienta Filipe Santos, diretor da Católica Lisbon.

A Porto Business School, da Universidade do Porto, é a terceira instituição portuguesa a figurar na lista, aparecendo na 71ª posição da lista. Estes resultados refletem “a evolução contínua e a crescente adaptação” da Porto Business School às exigências de um mundo cada vez mais disruptivo, assente na transformação digital e num crescimento sustentável, justifica a escola em comunicado enviado às redações.

No documento, a PBS lembra que já no último ranking do Financial Times, divulgado em maio deste ano, referente à melhor formação executiva à escala mundial, a Porto Business School somou também novas conquistas entre as 100 melhores escolas de negócio do mundo, com a subida de seis posições na categoria Custom Programmes (Formação para Executivos) e uma posição em Open Programmes (Formação Aberta).

 

Ler mais
Recomendadas

Associação sindical pede ao Governo que ensino passe a funcionar em regime não presencial

Associação Sindical de Professores Licenciados defende que durante o confinamento geral do país, as escolas se mantenham abertas apenas para os alunos cujos pais pertencem a serviços essenciais ou para quem não têm condições para continuar o ensino em casa.

SNESup quer acesso prioritário à vacina para professores do superior

Mariana Gaio Alves, presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior, adiantou ao Jornal Económico que vai apelar às autoridades de saúde para considerem os docentes prioritários, devido ao facto de não se encontrarem em teletrabalho.

Sindicato Independente de Professores e Educadores: “Não concordamos com a decisão de não fechar as escolas”

O SIPE diz que o Governo optou por um “confinamento parcial”, uma vez que dois milhões de crianças e jovens continuam a circular livremente e receia que os sacrifícios económicos, psicológicos e sociais dos portugueses “de nada sirvam”.
Comentários