Tribunal de Contas visou mais de 1.500 atos e contratos no ano passado

Instituição presidida por José Tavares recusou o visto a 26 contratos no ano passado. Do total dos processos visados, 484 foram acompanhados de recomendações. 

O Tribunal de Contas (TdC) visou mais de 1.500 atos e contratos no ano passado, tendo recusado o visto a 26 contratos, representando estes apenas 1,6% dos processos objeto de fiscalização prévia, divulgou a instituição presidida por José Tavares esta segunda-feira.

Numa nota sobre a função preventiva e pedagógica da fiscalização prévia, o TdC revela ainda que dos processos visados, 484 foram acompanhados de recomendações.

Dá ainda nota que no âmbito dos processos analisados, o número de pedidos de esclarecimentos ou de elementos complementares ascendeu a 2.415, “o que permitiu, num número significativo de casos, suprir as ilegalidades e irregularidades detetadas, conduzindo também, em algumas situações, à redução de encargos assumidos pelas respetivas entidades públicas”.

“Esta é uma função preventiva e pedagógica do Tribunal de Contas que permite melhorar a atividade pública, em especial no âmbito da contratação pública”, frisa o TdC na nota publicada.

Recomendadas

Fundo de Garantia Europeu acelera acesso ao financiamento

O FGE aprovou cerca de metade do financiamento previsto para 2021 destinado às PME, às empresas de média capitalização e ao setor público. Tem um montante de mais de 24 mil milhões de euros.

Presidente de Angola aprova acordo de financiamento no valor de 582 milhões de euros

João Lourenço refere que o acordo foi aprovado ao abrigo do Projeto de Estabilização Macroeconómica e Financiamento da Política de Desenvolvimento Inclusivo e Diversificação Económica de Angola.

Emprego nos EUA deverá manter trajetória de recuperação em abril, esperam analistas

O animador relatório de criação de emprego nos EUA em março deverá agora ver uma continuação da trajetória positiva, numa altura em que a pandemia vai ficando progressivamente mais controlada naquele que foi um dos países mais afetados economicamente pela Covid-19 em 2020.
Comentários