Tribunal proíbe manifestações no aeroporto de Hong Kong

A ordem judicial temporária vai servir para impedir que “as pessoas impeçam ou interfiram de maneira voluntária e ilegal com a operação normal do aeroporto internacional de Hong Kong”, segundo a autoridade aeroportuária local.

Um tribunal de Hong Kong proibiu a presença de manifestantes fora de “zonas designadas” no aeroporto da região administrativa especial chinesa, anunciou esta quarta-feira, em comunicado, a Autoridade Aeroportuária.

A ordem judicial temporária vai servir para impedir que “as pessoas impeçam ou interfiram de maneira voluntária e ilegal com a operação normal do aeroporto internacional de Hong Kong”, acrescentou a nota.

Dezenas de voos foram retomados esta manhã em Hong Kong, depois do segundo dia consecutivo de cancelamento das operações, que deixaram milhares de passageiros em terra.

Centenas de manifestantes concentraram-se na terça-feira, pelo quatro dia consecutivo no aeroporto internacional do território, acabando por dispersar já de madrugada e após a intervenção da polícia antimotim, que efetuou pelo menos uma detenção.

Os agentes dispararam gás pimenta sobre os manifestantes, tendo sido registado um ferido entre as forças de segurança, constatou a agência Lusa no local.

Os protestos em Hong Kong duram há mais de dois meses, têm sido marcados por violentos confrontos entre manifestantes e a polícia, com recentes dados a apontarem para um impacto económico na indústria de viagens na ex-colónia britânica.

O clima de contestação social em Hong Kong resulta da apresentação de uma proposta de alteração à lei da extradição, que permitiria ao Governo e aos tribunais a extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios, como é o caso da China continental.

A proposta foi, entretanto, suspensa, mas as manifestações generalizaram-se e denunciam agora uma “erosão das liberdades” na antiga colónia britânica.

Ler mais
Recomendadas
trump e pence

Organização Trump tem extensa e prolongada conduta criminosa, concluem procuradores

Os advogados do Presidente norte-americano tinham considerado no mês passado que a intimação judicial para a entrega das declarações fiscais tinha sido feita com má-fé e era uma manifestação de assédio a Trump.

França suspende acordo de extradição com Hong Kong seguindo decisão de outros países

“À luz dos últimos desenvolvimentos, a França não procederá à ratificação do acordo de extradição assinado a 04 de maio de 2017 entre a França e a Região Administrativa Especial de Hong Kong”, declarou a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros francês.

Rei emérito Juan Carlos I vai abandonar Espanha

O envolvimento do rei emérito em negócios pouco recomendáveis e a existência de duas fundações suspeitas impedem Juan Carlos de continuar em Espanha. O filho, Filipe VI, já se tinha distanciado de Juan Carlos, na tentativa de conter os estragos provocados à monarquia.
Comentários