Tribunal sueco rejeita recurso da Huawei para travar exclusão da empresa no 5G

A decisão ocorre na semana que antecede o leilão do 5G, cujo arranque está previsto para o dia 19 de janeiro.

Um tribunal sueco rejeitou o recurso da Huawei para reverter a decisão do regulador sueco sobre a exclusão da gigante chinesa do desenvolvimento da quinta geração da rede móvel (5G) naquele país, segundo a Reuters. A decisão ocorre na semana que antecede o leilão do 5G, cujo arranque está previsto para o dia 19 de janeiro.

O recurso da Huawei tinha sido apresentado ao supremo tribunal administrativo da Suécia, no dia 5 de janeiro, depois de um tribunal daquele país ter autorizado o arranque do leilão do 5G. Com o levantamento da suspensão do leilão, a Huawei tinha caminho aberto para entrar com uma ação judicial sobre sua exclusão do 5G no país. O procedimento de atribuição das faixas 5G estava suspenso desde o dia 10 de dezembro de 2020, por causa da polémica decisão do regulador Post- och telestyrelsen (PTS, ou Autoridade de Correios e Telecomunicações Sueca) de banir a Huawei do 5G.

O regulador das comunicações na Suécia anunciou, em outubro do ano passado, a proibição do uso de novos equipamentos dos grupos chineses Huawei e ZTE na nova rede de telecomunicações 5G, como medida de segurança nacional. A PTS determinou que os componentes destas duas empresas, já instalados pelos operadores, teria de ser removido até 1 de janeiro de 2025.

Na origem da decisão está a alegação de que o Estado chinês tem uma influência indevida neste sector, via Huawei e ZTE neste caso.

A decisão de banir a Huawei e a ZTE surgiu num quadro de forte pressão dos Estados Unidos junto dos países aliados para banir a empresas chinesas das redes 5G, alegando que poderiam ser usadas ​​pela China para espionagem. A Huawei, que tem uma forte presença na Europa, tem negado, desde a primeira hora, a acusação norte-americana. Na Europa, além da Suécia também o Reino Unido decidiu banir a Huawei do 5G.

A Huawei manifestou-se, então, “surpreendida” com a decisão do regulador sueco e interpôs um recurso junto dos tribunais. A justiça deu razão à Huawei e exigiu que o regulador para as telecomunicações (PTS) apresentasse “argumentos substantivos” para a exclusão da empresa – daí a suspensão do leilão do 5G no dia 10 de novembro.

Entretanto, a Huawei encontrou na rival Ericsson um aliado. O grupo de telecomunicações sueco, concorrente da empresa chinesa no mercado dos componentes, já veio criticar a decisão da PTS. No início deste ano, a Ericsson pressionou mesmo o governo da Suécia para que o regulador revertesse a decisão sobre a Huawei (e também sobre a ZTE), chegando a ameaçar sair do país se a decisão não for anulada.

Recomendadas

5G: Propostas dos operadores somam 322 milhões de euros

O leilão principal arrancou em 14 de janeiro e se tivesse terminado esta segunda-feira o Estado teria arrecadado mais de 406 milhões de euros (valor que inclui a licitação dos novos entrantes de 84,3 milhões de euros), muito acima do montante indicativo de 237,9 milhões de euros.

Aldi vai inaugurar primeira loja de proximidade em Lisboa

Com esta abertura, a Aldi prossegue o seu plano de expansão em Portugal, passando a contar com 93 supermercados no nosso país, além de criar cerca de 20 novos postos de trabalho.

Mota-Engil ganha contrato de mineração no Mali no valor de cerca de 295 milhões de euros

O grupo liderado por António Mota e Gonçalo Moura Martins explica que os trabalhos decorrerão em três minas de ouro, devendo arrancar em agosto de 2021, com uma duração de 81 meses e a faturação e pagamentos indexados ao dólar norte-americano.
Comentários