Troca e remuneração de criptomoedas isentas de IVA

O esclarecimento foi dado pela Autoridade Tributária e Aduaneira a uma empresa que pretende fazer mineração de moedas digitais.

Bitcoin

A troca de criptomoedas por moedas reais e a remuneração recebida pela produção de moedas virtuais estão isentas de IVA (Imposto sobre o Valor Acrescentado), revela o “Jornal de Negócios” na edição desta terça-feira.

O esclarecimento foi dado pela Autoridade Tributária e Aduaneira a uma empresa que pretende fazer mineração de moedas digitais e publicado, depois, online, citando um acórdão do Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) sobre bitcoins.

“Considerando a decisão proferida pelo TJUE (…) a troca de criptomoeda por moeda ‘real’ constitui uma prestação de serviços efetuada a título oneroso, isenta de IVA”, pode ler-se na informação vinculativa do Fisco. As Finanças adiantam ainda que a remuneração fundamenta-se no mesmo sentido, de acordo com o jornal de economia.

O Fisco clarifica o enquadramento fiscal desta atividade depois de ter, anteriormente, referido que o rendimento em criptomoedas não pagava IRS (Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares).

Recomendadas

“Não querem partilhar controlo”. Empresas portuguesas explicam à OCDE porque não entram em bolsa

Os custos relacionados, os baixos níveis de liquidez e a complexidade da regulação também foram obstáculos mencionados por mais da metade das empresas num inquérito conduzido pela OCDE.

Falta de liquidez é o principal fator que leva cotadas a abandonar a bolsa portuguesa, diz a OCDE

A OCDE sublinha que, nas últimas duas décadas, o número de empresas cotadas na bolsa de valores portuguesa diminuiu em dois terços, de 148 para 55, resultado de uma queda no número de novas listagens e um grande número de empresas que deixaram o mercado de ações através de cancelamentos de registo.

Bruxelas diz que exclusão de viajantes europeus na União Europeia é inaceitável

“Se isto estiver a acontecer, teremos de analisar o que poderá ser feito. São claras situações discriminatórias que, por princípio, não são aceitáveis”, declarou em entrevista à agência Lusa, em Bruxelas, o comissário europeu dos Direitos Sociais, Nicolas Schmit.
Comentários