Trump acena com acordo de defesa e ajuda Netanyahu

O presidente norte-americano tenta a impulsionar a candidatura de Benjamin Netanyahu a mais um mandato como primeiro-ministro israelita. Um possível acordo de defesa é o mote.

Donald Trump revelou este sábado que conversou com Benjamin Netanyahu sobre um possível acordo de defesa mútua entre os dois países, uma medida que serve claramente para reforçar a candidatura à reeleição do primeiro-ministro israelita dias antes de os eleitores irem às urnas.

“Tive uma conversa telefónica com o primeiro-ministro Netanyahu para discutir a possibilidade de avançar com um Tratado de Defesa Mútua entre os Estados Unidos e Israel, que ancoraria ainda mais a tremenda aliança entre nossos dois países”, disse Trump no Twitter. E acrescentou que espera continuar o debate ainda este mês, à margem da sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova York.

Netanyahu agradeceu a Trump, dizendo também num tweet que Israel “nunca teve um amigo maior na Casa Branca” e acrescentou que esperava encontrar-se na ONU “para avançar um histórico Tratado de Defesa entre os Estados Unidos e Israel”.

Israel vai às urnas na terça-feira. O tweet de Trump parece apoiar o esforço de Netanyahu em permanecer no poder, mostrando os seus laços estreitos com a Casa Branca. Sondagens prevêem uma disputa acirrada, cinco meses após uma eleição em que Netanyahu se declarou vencedor, mas não conseguiu formar um governo de coligação.

O partido Likud, de Netanyahu, está em conflito com o partido centrista Azul e Branco liderado pelo ex-chefe das forças armadas Benny Gantz, que se concentrou fortemente nas acusações de corrupção contra Netanyahu.

Trump reforçou a candidatura de Netanyahu quando reconheceu a reivindicação de soberania de Israel sobre as Colinas de Golan antes das eleições no início deste ano.

Algumas autoridades israelitas promoveram a ideia de desenvolver os fortes laços de Netanyahu com o governo Trump, forjando um novo tratado de defesa entre ambos, focado especialmente nas garantias de assistência em qualquer conflito com o Irão. Alguns dos críticos de Netanyahu argumentaram que esse acordo poderia atar as mãos de Israel e negar-lhe autonomia militar.

Ler mais
Recomendadas

Lula da Silva: “Bolsonaro não está a governar, mas a dar autorização para vender o Brasil”

Em entrevista à RTP a partir da prisão, o antigo presidente brasileiro deixa duras críticas à governação do atual chefe de Estado do Brasil.

Eleições Moçambique: Candidato presidencial do MDM apela à transparência

O candidato presidencial do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceira força parlamentar, Daviz Simango, exortou hoje os órgãos eleitorais a garantirem eleições transparentes e às Forças de Defesa e Segurança a absterem-se de atos de intimidação ao eleitorado.

Eleições Moçambique: CNE fala de “muita participação” do eleitorado na primeira hora

O presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE) de Moçambique, Abdul Carimo, referiu que a primeira hora de votação nas eleições gerais de hoje registou “muita participação”, sem “grandes problemas”.
Comentários