Trump acusa Europa de tratar Estados Unidos “muito mal”

O Presidente dos EUA, Donald Trump, disse hoje que está na altura de negociar um acordo comercial com a União Europeia (UE), apelando aos europeus para abrirem os seus mercados a produtos norte-americanos.

Perante um impasse nas negociações entre a UE e os EUA, Donald Trump e a presidente da Comissão Europeia, Úrsula Von der Leyen, anunciaram em janeiro o desejo de relançar uma nova rota de comércio transatlântico e concluir um acordo comercial, a breve prazo.

“A Europa trata-nos muito mal”, disse hoje Trump, perante uma plateia de governadores de estados, na Casa Branca, queixando-se de “um enorme ‘défice'” nas relações com Bruxelas “nos últimos 10 ou 12 anos”.

Não é a primeira vez que Trump se queixa do que considera ser um desequilíbrio nas relações comerciais entre os EUA e a UE, tendo recentemente ameaçado impor tarifas adicionais a importações europeias, no setor automóvel, em retaliação a medidas da Comissão Europeia contra empresas norte-americanas.

Hoje, o Presidente dos EUA acrescentou que a UE tem imposto “incríveis barreiras alfandegárias” e pediu aos membros da comunidade para abrir mais os mercados aos produtos norte-americanos, especialmente na área agrícola.

No encontro com Von der Leyen, em janeiro, à margem da cimeira do Fórum Económico Mundial, em Davos, Trump disse que estas dificuldades impeliam um novo acordo comercial entre os dois blocos, dizendo que gostaria de o finalizar rapidamente.

Hoje, o Presidente norte-americano explicou que o atraso nas negociações se deve ao facto de se ter concentrado prioritariamente nas relações comerciais com a China, o Japão e a Coreia do Sul.

Desde o início do ano, o comissário europeu do Comércio, o irlandês Phil Hogan, já esteve em Washington por duas vezes, para reunir com o seu homólogo norte-americano, Robert Lightizer, tentando encontrar soluções para o impasse.

Von der Leyen também deve ir a Washington em breve, para uma reunião que pode levar à assinatura de uma espécie de “declaração política”, como a que foi concluída em julho de 2018 entre Donald Trump e o ex-presidente da Comissão Jean-Claude Juncker.

Na altura, os dois líderes promteram negociar dois acordos: um destinado a abolir os direitos aduaneiros sobre bens industriais, o outro para eliminar certas barreiras não-tarifárias ao comércio por meio de cooperação regulatória.

As discussões sobre bens industriais não avançaram desde então, mas os norte-americanos já fizeram saber que gostariam de incluir a agricultura no escopo do acordo, ao qual os europeus se opõem.

As negociações com Bruxelas ocorrem ao mesmo tempo que Trump tenta lançar um novo acordo comercial com o Reino Unido, na sequência do Brexit, prometendo ser um parceiro privilegiado dos britânicos.

Ler mais
Recomendadas

Economia britânica recua 0,1% em fevereiro

A contração do PIB do Reino Unido, em parte devido ao setor da construção, surpreendeu os analistas britânicos, que esperavam inclusivamente um crescimento no segundo mês do ano.

Pedro Sánchez pede à oposição a seguir exemplo de Portugal

O primeiro-ministro espanhol pediu esta quinta-feira à oposição de direita para seguir o exemplo de Portugal, onde o presidente do PSD, Rui Rio, fez um “discurso emotivo” a desejar “boa sorte” e a oferecer a sua colaboração na luta contra a covid-19.

Portugueses em Macau angariam mais de meio milhão de euros para ajudar Portugal

A iniciativa promovida por um movimento que junta quase duas dezenas de entidades e personalidades que definiram como prioridade a aquisição de equipamento que proteja todos aqueles que estão na linha da frente e a capacidade nacional de deteção de casos.
Comentários