Trump acusa imigrantes ilegais de “infestar” os EUA

Nos últimos dias, milhares de pessoas têm tentado entrar nos EUA. Donald Trump reagiu esta terça-feira: “das 12 mil crianças, 10 mil estão a ser enviadas pelos pais numa viagem muito perigosa e só duas mil estão com os pais, muitos deles que já tentaram entrar no nosso país ilegalmente em numerosas ocasiões”, escreveu na sua conta Twitter.

Kevin Lamarque/REUTERS

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reafirmou esta terça-feira a sua intenção de impedir a entrada de imigrantes ilegais no país, sobretudo através da fronteira terrestre com o México. Através de um post na sua conta de Twitter, Trump escreveu que “os democratas são o problema” porque olham para os imigrantes “como potenciais votantes”, acusando-os de “infestar” o país.

“Os democratas são o problema. Eles não querem saber do crime e querem imigrantes ilegais, não importa quão maus eles sejam, a entrar e a infestar o nosso país, como o MS-13 [um gangue violento]. Eles não conseguem vencer com as políticas terríveis, por isso veem [os imigrantes] como potenciais votantes”, escreveu Trump.

Minutos mais tarde acrescentou que pretende continuar a “prender as pessoas que vêm para os EUA ilegalmente”. “Das 12 mil crianças, 10 mil estão a ser enviadas pelos pais numa viagem muito perigosa e só duas mil estão com os pais, muitos deles que já tentaram entrar no nosso país ilegalmente em numerosas ocasiões”, concluiu.

Nos últimos dias, a imprensa norte-americana tem divulgado imagens e relatos que chegam da região fronteiriça entre México e EUA, onde as autoridades têm detido pessoas que tentam entrar em território norte-americano. Há casos de crianças que estão a ser separadas dos pais, que tentam entrar nos EUA. O caso tem gerado indignação da ONU e de organizações de defesa dos direitos humanos, que já apelaram à administração Trump para garantir condições humanitárias.

Ler mais
Recomendadas

Boris Johnson alerta para variante indiana do vírus

“Estamos a realizar uma grande quantidade de testes para encontrarmos surtos da variante indiana”, disse o primeiro-ministro britânico.

Países ocidentais insistem na marcação de eleições na Líbia

O governo, aceite pelas duas partes desavindas, tem o processo de organização muito atrasado. Embaixadas da França, Alemanha, Itália, Estados Unidos e Reino Unido querem apressar o projeto.

Organização Mundial da Saúde aprova uso de vacina chinesa Sinopharm

Após as análises, a entidade internacional estima que a vacina tenha uma eficácia de 79% para doenças sintomáticas e hospitalizações entre todas as faixas etárias.
Comentários