Trump pede que não haja violência e defende que “não é isso que a América representa”

Uma semana depois dos incidentes no Capitólio e enquanto era debatida na Câmara dos Representantes a proposta de impeachment ao 45º presidente, Trump pediu calma e que não haja violência nos EUA.

Donald Trump emitiu um apelo a que não haja violência ou vandalismo de qualquer espécie, isto uma semana depois da invasão ao Capitólio por parte dos seus apoiantes. Através da Secretaria de Imprensa da Casa Branca, o ainda presidente defendeu que “não é isso que a América representa” num comunicado enviado enquanto na Câmara dos Representantes se discute o processo de destituição.

“Urjo que haja zero violência, zero infrações à lei e zero vandalismo de qualquer tipo. Não é isso que eu represento e não é isso que a América representa. Peço a todos os americanos que ajudem a melhorar as tensões e acalmar os ânimos”, lia-se no comunicado enviado à redações norte-americanas e publicado na conta de Twitter do órgão responsável pela comunicação da Casa Branca.

A comunicação foi divulgada durante o debate na Câmara dos Representantes sobre o impeachment de Donald Trump, o segundo do seu mandato, caso se concretize. Dada a maioria democrata naquele órgão, é expectável que o processo siga o seu curso e suba ao Senado, onde o presidente será julgado.

O desfecho do julgamento na câmara alta é, no entanto, desconhecido. Mitch McConnell, o líder republicano no órgão, não se deverá pronunciar publicamente sobre o assunto até que seja formalmente votada a proposta da Câmara dos Representantes, mas o New York Times reportou que o senador do Kentucky se mostrou agradado com esta iniciativa, por tornar mais fácil ao Partido Republicano seguir em frente e distanciar-se de Trump.

Donald Trump termina o seu mandato na próxima semana, no dia 20 de janeiro. O presidente cessante já informou que não estará presente na cerimónia de transição. O FBI já avisou que poderão ocorrer outras tentativas de interromper a passagem de poder, incluindo mais atos de violência, e que terá tolerância zero perante qualquer tipo de violência.

Recomendadas

“Correu tudo mal”. Escândalo com abonos de família leva a demissão do Governo dos Países Baixos

Depois de ser conhecido o escândalo que envolveu milhares de famílias falsamente acusadas de fraude na atribuição de abonos, o executivo de Mark Rutte acabou por se demitir, apesar do primeiro-ministro ter inicialmente manifestado uma vontade contrária. O Governo ficará agora em gestão até às eleições de março.

Multimilionários estão 1 bilião de dólares mais ricos e contrariam queda da economia global

Com uma previsão de contração do PIB de 4,4% em 2020 e as economias mundiais a afundar consideravelmente, os multimilionários viram as suas fortunas a crescer em vários mil milhões de euros.

Governo japonês convida Comité Olímpico Internacional a elaborar um “plano B” para os Jogos Olímpicos de Tóquio

Taro Kono, ministro da administração e reforma do governo do Japão, dá voz às dúvidas dos seus concidadãos sobre a celebração dos Jogos Olímpicos, levando-o a pedir ao Comité Olímpico Internacional (COI) que elaborem um “Plano B”.
Comentários