PremiumTurismo fustigado em economia que pode cair 2% este ano, estima Católica

Economistas da Católica estão pessimistas sobre o efeito do confinamento na economia este ano. Turismo é dos setores mais afetados.

“A fileira do turismo está a ter perdas muito significativas”. A sentença não é inesperada, nem nova, mas volta a ser inscrita na análise dos economistas de uma das principais universidades portuguesas, numa altura em que se procura antecipar o impacto que o novo confinamento tem na economia. O NECEP – Católica Lisbon Forecasting Lab assinala que, em geral, a atividade económica está evoluir de forma muito assimétrica, mas é perentória em antecipar a hecatombe que o confinamento irá ter para a economia portuguesa este ano.

O grupo liderado pelo economista João Borges de Assunção revela-se muito mais pessimista nas projeções para o PIB este ano face ao relatório passado e estima uma contração do PIB de 2%. “Para o conjunto do ano de 2021, o cenário central é agora de contração de 2%, uma forte revisão em baixa em 4,5 pontos percentuais face à previsão anterior (2,5%)”, explica o NECEP, na folha trimestral de conjuntura.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Covid-19: PCP quer apoios a 100% para pais “imediatamante e com efeitos retroativos”

Intervindo numa sessão pública, em Lisboa, Jerónimo de Sousa lamentou que “PS, PSD e CDS-PP” tenham rejeitado na Assembleia da República a proposta do PCP que previa “o pagamento do salário a 100% a quem está em assistência a filhos até aos 16 anos, enquanto as escolas se mantiverem encerradas”, devido à pandemia de Covid-19.

PremiumEconomistas alertam para risco de crise financeira

O volume moratórias de crédito quando comparado com o resto da Europa deixa antecipar fortes impactos na banca no pós-Covid.

PremiumUnião Europeia não pode continuar “em velocidade lenta”

O painel do Observatório “A Recuperação Económica depois da Covid-19” sobre ‘O papel da Europa e os desafios para o futuro no contexto global’ foi unânime em considerar que a UE deu, no contexto de combate à pandemia, mais uma prova da sua endémica lentidão.
Comentários