Turismo. Sector registou apenas um milhão de hóspedes em outubro, menos 59% face a 2019

A região do Alentejo foi a mais fustigada pela crise que o setor atravessa. Já o Algarve sentiu um crescimento de 4% nas dormidas de residentes, o que INE indica estar relacionado com a realização do Grande Prémio de Portugal em Fórmula 1, em Portimão.

O turismo continua a debater-se com os efeitos da pandemia. O sector do alojamento turístico registou um milhão de hóspedes e 2,4 milhões de dormidas em outubro, o que corresponde a quebras de 59,3% e 63%, respetivamente, face a setembro, de acordo com uma estimativa rápida do Instituto Nacional de Estatística (INE), divulgada esta segunda-feira.

As dormidas de residentes terão diminuído 21% e as de não residentes terão decrescido 76,2%. Estes valores comparam, respetivamente, com quebras 8,5% e 71,9% em setembro.

No mês de outubro, 29,9% dos estabelecimentos de alojamento turístico terão estado encerrado ou não registaram qualquer movimentação de hóspede. Este valor compara com os 24% registados em setembro.

A região do Alentejo foi a mais fustigada pela crise que o setor atravessa, segundo o INE. “O Alentejo terá continuado a apresentar a menor diminuição no número de dormidas, face ao mês homólogo, apresentando uma descida de 29,8% (-20,9% no mês anterior)”, lê-se.

Destaque para a recuperação sentida no Algarve, que verificou um crescimento de 4% nas dormidas de residentes, o que “poderá ter estado relacionado com a realização de um evento desportivo neste mês na região”, nomeadamente o Grande Prémio de Portugal em Fórmula 1, no Autódromo Internacional de Portimão.

 

 

Ler mais

Recomendadas

Ferro Rodrigues destaca papel dos parlamentos na recuperação europeia

O presidente da Assembleia da República destacou esta sexta-feira a urgência de pôr em marcha o Fundo de Recuperação europeu e realçou o papel dos parlamentos dos Estados-membros para a que verbas sejam desbloqueadas.

“É quase inevitável que o crédito malparado começe a aumentar novamente”, diz Dombrovskis

Vice-presidente da Comissão Europeia realça que o malparado diminuiu na banca portuguesa nos últimos anos. No entanto, admite que a crise provocada pela pandemia se irá traduzir num aumento quase “inevitável” do crédito malparado, destacando por isso o Plano de Ação de Bruxelas para combater os créditos improdutivos.

Recuperação da economia portuguesa não acompanhará ritmo da europeia

A recuperação da economia portuguesa após a crise pandémica “deverá acompanhar apenas temporalmente a recuperação europeia, mas não o seu ritmo”, segundo o relatório trimestral da consultora SaeR (Sociedade de Avaliação de Estratégia e Risco) divulgado esta sexta-feira.
Comentários