Turquia avisa: ameaças de sanções europeias carecem de suporte jurídico

No meio de uma crescente tensão no Mediterrâneo entre gregos e cipriotas de um lado e turcos do outro, Ancara descarta as ameaças de sanções europeias por parte do MED7, a cimeira do sul da Europa da qual Portugal faz parte.

A Turquia afirma que as ameaças da União Europeia de sanções como consequência da crescente tensão com Atenas são infundadas e carecem de suporte jurídico. A resposta de Ancara surge depois Cimeira MED7, na Córsega, na qual Portugal esteve representado pelo primeiro-ministro António Costa.

O ministro dos negócios estrangeiros turco falou de ameaças “desligadas da realidade” e sem suporte jurídico, além de vindas de atores parciais para o lado grego. O grupo dos MED7, que inclui, além de Portugal, Espanha, França, Itália, Grécia, Malta e Chipre, havia manifestado intenções de apoiar quaisquer sanções europeias, caso a Turquia recusasse o diálogo.

A União Europeia já admitiu a possibilidade de sancionar Ancara, algo que se pode materializar na reunião do Conselho Europeu de 24 de setembro.

O governo turco encontra-se num impasse com os seus homólogos gregos e cipriotas devido aos direitos de exploração de bolsas de gás natural e petróleo no Mediterrâneo oriental. A tensão tem vindo a escalar nos últimos tempos em consequência desta indecisão, com a retórica de ambos os lados a subir de tom e exercícios militares na região a criarem situações altamente voláteis. Tanto a Turquia, como a Grécia são membros da aliança NATO.

 

Recomendadas

Oxfam: 1% mais ricos do mundo são responsáveis por mais do dobro das emissões poluentes do que 50% mais pobres

O relatório alertou ainda para o consumo excessivo do carbono por parte dos mais ricos, assumindo que estes estão a esgotar o “orçamento de carbono” mundial, sustentando que este é “finito”.

Reino Unido em fase crítica da pandemia, alerta diretor-geral de Saúde

“A tendência no Reino Unido está a ir em direção contrária e estamos a entrar num ponto crítico da pandemia”, admitiu o diretor-geral de Saúde de Inglaterra, Chris Whitty. “Estamos a analisar os dados para perceber como gerir a propagação do vírus antes que chegue um inverno desafiador”, explicou o médico consultor.

Biden diz que substituição no Supremo antes das eleições é “exercício de poder brutal”

“Se o Presidente Trump insiste em dar um nome, o Senado não deverá agir antes que os americanos possam escolher o seu próximo Presidente e o seu próximo Congresso”, prosseguiu o antigo vice-presidente de Barack Obama, que lidera as sondagens nacionais para a corrida à Casa Branca.
Comentários