Turquia critica Estados Unidos por causa do plano para refugiados afegãos

Governo de Ancara antecipa um novo êxodo em direção às suas fronteiras, nas quais o país já está a implementar novos métodos de controlo de acesso.

REUTERS/ALEXANDROS AVRAMIDIS

O governo turco criticou a posição dos Estados Unidos em relação à sua nova política de aceitação de refugiados afegãos oriundos de países terceiros, tendo afirmado que a decisão é um convite à saída do país asiático e o primeiro passo para uma nova crise de imigração regional.

O programa abrange intérpretes e tradutores que trabalharam com as forças dos Estados Unidos no Afeganistão, afegãos envolvidos em projetos financiados pelos Estados Unidos e membros de ONGs ou organizações semelhantes sediadas em território norte-americano.

A questão do governo de Recep Erdogan, o Presidente turco, é que o plano dos Estados Unidos de usar terceiros países como a Turquia para acolher milhares de afegãos que correm o risco de serem alvo de combatentes entre os insurgentes taliban e o governo local vai iniciar uma corrida a essas áreas.

Semanas antes de os Estados Unidos concluírem a retirada das suas tropas do Afeganistão após 20 anos de guerra, o Departamento de Estado norte-americano anunciou um novo programa que permite a alguns afegãos terão a hipótese de se reinstalarem como refugiados nos Estados Unidos. O Departamento de Estado disse que Washington está a debater com países vizinhos a possibilidade da formação de fluxos de saída, acrescentando que é importante que as fronteiras do Paquistão com o Afeganistão permaneçam abertas, enquanto outros afegãos podem viajar para a Turquia via Irão.

Mas o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Turquia rejeitou a referência à Turquia como uma rota de imigração para os afegãos, acrescentando que o país, já hospedando mais de quatro milhões de refugiados (principalmente sírios), não iria “empreender uma nova crise imigratória em nome de um país terceiro”.

“A Turquia não aceita a decisão irresponsável dos Estados Unidos sem consultar o nosso país. Se os Estados Unidos quiserem levar os afegãos para o seu país, é possível transferi-los diretamente por uma ponte aérea”, afirmou o ministério em nota oficial. “Ninguém deve esperar que a Nação turca suporte o fardo das crises migratórias vividas como resultado das decisões de países terceiros na nossa região”, acrescentava o comunicado.

Centenas de afegãos cruzaram a fronteira para a Turquia nas últimas semanas, na tentativa de escaparem ao aumento da violência no Afeganistão.

Ancara ofereceu-se para guardar e manter operacional o Aeroporto Internacional de Hamid Karzai, na capital afegã, Cabul, após a retirada dos Estados Unidos e da NATO. Recep Erdogan disse esta semana que as autoridades turcas mantêm conversas de alto nível sobre o assunto com o governo afegão.

Ao mesmo tempo, a Turquia tem reforçado a segurança das suas fronteiras, em antecipação a um aumento potencial no fluxo de imigrantes irregulares, disse o ministro do Interior, Suleyman Soylu, no Twitter. A Turquia pode optar pela construção de um muro de 152 km de comprimento na fronteira, ao mesmo tempo vai passar a monitorizar os 740 km da fronteira leste do país com o recurso a drones, torres eletro-ópticas e câmaras térmicas noturnas.

Recomendadas

Jovens entre 18 e 20 anos podem candidatar-se a 60 mil passes de interrail gratuitos

Os candidatos que ganhem um bilhete podem viajar durante 30 dias, entre março de 2022 e fevereiro de 2023, sendo que por ainda se desconhecer a evolução da pandemia, as reservas são flexíveis.

Bruxelas acusa Biden de “falta de lealdade e transparência” e exige explicações do pacto entre EUA, Austrália e Reino Unido

Charles Michel e von der Leyen consideram que existem “muitas perguntas por responder” depois de Joe Biden ter anunciado uma aliança entre a Austrália e o Reino Unido, tendo desfeito um acordo prévio entre a Austrália e a França sobre compra de submarinos. “Um dos nossos Estados-membros foi tratado de forma inaceitável, por isso queremos saber o que aconteceu e porquê”, frisou a presidente da Comissão Europeia.

Marcelo na ONU: “Conselho de Segurança deve ter presença de África, Brasil e Índia”

É um dos temas mais difíceis no interior da UNO, mas o Presidente português não quis deixar de se lhe referir. A sua intervenção foi toda ela no sentido da defesa do multilateralismo como única arma global para os problemas, que são também globais.
Comentários