Twitter vê receita aumentar, mas lucros caem no terceiro período

A plataforma reportou um crescimento abaixo do esperado de utilizadores ativos, mas os seus executivos mostram-se confiantes. “Estamos a ajudar os nossos utilizadores a encontrar fontes fidedignas de informação”, sublinho o presidente executivo da empresa. A cotação em bolsa está a sofrer com os resultados, isto depois dos ganhos que antecederam a divulgação.

Brendan McDermid/Reuters

O Twitter reportou um aumento de 14% nas receitas da empresa, que atingiram os 936 milhões de dólares (801 milhões de euros) no terceiro trimestre do ano de 2020. No entanto, o lucro da tecnológica caiu de 36,5 milhões de dólares (31,2 milhões de euros) para 28,7 milhões de dólares (24,6 milhões de euros), de acordo com o relatório conhecido esta quinta-feira.

O número de utilizadores diários ativos da plataforma registou o aumento mais pequeno desde que a empresa começou a reportar o indicador. O indicador cifra-se agora nos 187 milhões de utilizadores diários.

O grosso das receitas da empresa do pássaro azul provêm de publicidade, cujo contributo foi de 808 milhões de dólares (692 milhões de euros), mais 15% do que no período anterior.

As receitas vindas de fora dos EUA cresceram 18% para os 424 milhões de dólares (363 milhões de euros), mas o mercado americano continua a ser o com maior expressão, ao registar 513 milhões de dólares (439 milhões de euros). Ainda assim, o crescimento no país de origem da plataforma foi de 10%, inferior ao do resto do mundo.

As ações da empresa ressentiram-se com o anúncio dos resultados, estando a cair 11,41% na transação após o fecho. Este ano, o Twitter valorizou já mais de 60%, sendo uma das principais empresas tecnológicas do índice norte-americano.

Recomendadas

Governo já pagou 268 milhões de euros às empresas através do programa Apoiar.pt

“Temos, no acumulado da primeira e da segunda tranche, cerca de 268 milhões de euros pagos”, afirmou João Neves.

Supremo confirma prisão do antigo presidente do Banco Privado

A pena de prisão efetiva de João Rendeiro só se vai concretizar após trânsito em julgado. O antigo presidente do Banco Privado Português (BPP) foi condenado a cinco anos e oito meses de prisão por vários crimes de falsidade informática e falsificação de documentos.

‘Intelligent edge’ é a próxima revolução no mundo dos negócios

Ao trazer poderosos recursos de computação para mais perto de onde os dados são originados e precisam de ser consumidos, este salto tecnológico liberta todo o potencial para acelerar a 4ª Revolução Industrial.
Comentários