UAveiro impulsiona mudança de hábitos e distribui 239 bicicletas a alunos, professores e funcionários

O projeto, pioneiro em Portugal, é lançado esta segunda-feira, 23 de novembro, e, segundo o reitor Paulo Jorge Ferreira, permite que se façam menos 16 mil quilómetros de carro. Um contributo para um ar mais limpo.

Alunos, professores, investigadores, técnicos administrativos e de gestão da Universidade de Aveiro vão receber bicicletas para deixar o carro em casa. No total serão entregues 239 bicicletas mecânicas e elétricas (estas últimas em menor número), o que representa um esforço coletivo de toda a comunidade académica visando uma mudança de hábitos.

Em conjunto, as quase duas centenas e meia de novos ciclistas comprometem-se a fazer cerca de 16 mil quilómetros por semana, deixando o automóvel em casa nas deslocações para a Universidade. “São menos 16 mil quilómetros que se farão de carro e menos automóveis a chegar ao campus, um ar mais limpo. Para quem está farto de confinamento, andar de bicicleta é uma variante muito agradável”, afirma o reitor da UA, Paulo Jorge Ferreira.

O projeto, pioneiro em Portugal, é lançado esta segunda-feira, 23 de novembro, pelas 11h30, na presença do secretário de Estado da Mobilidade, Eduardo Pinheiro, do presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), Eduardo Feio, da presidente da Comissão Diretiva do PO SEUR, Helena Pinheiro de Azevedo. A Universidade faz-se representar por Alexandra Queirós, e José Carlos Mota, respetivamente, vice-reitora e coordenador técnico e professor do Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território.

As bicicletas chegarão às mãos dos seus destinatários na terça e quarta-feira. E em janeiro, voltará a ser aberto novo concurso para uma nova utilização durante seis meses.

Além da distribuição e utilização temporária das bicicletas mecânicas e elétricas, o UAUBike prevê a realização de ações de formação e sensibilização sobre segurança na circulação rodoviária, o uso da bicicleta e as vantagens desta opção em detrimento de outros meios de transporte. Estas ações decorrerão em Aveiro, Oliveira de Azeméis e Águeda, onde existem campi e comunidades UA e onde vão ser distribuídas bicicletas.

“É uma obrigação de todos… É também uma questão de cidadania. Temos objetivos individuais que também contribuem para que, a nível coletivo, consigamos cumprir esse desafio que é um desafio de futuro, para que os nossos filhos e netos possam dispor de um continente onde se possa viver”, diz o reitor, referindo-se à meta assumida pela União Europeia para que este se torne um continente neutro em emissões de carbono até 2050.

Ler mais
Recomendadas

SNESup quer acesso prioritário à vacina para professores do superior

Mariana Gaio Alves, presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior, adiantou ao Jornal Económico que vai apelar às autoridades de saúde para considerem os docentes prioritários, devido ao facto de não se encontrarem em teletrabalho.

Sindicato Independente de Professores e Educadores: “Não concordamos com a decisão de não fechar as escolas”

O SIPE diz que o Governo optou por um “confinamento parcial”, uma vez que dois milhões de crianças e jovens continuam a circular livremente e receia que os sacrifícios económicos, psicológicos e sociais dos portugueses “de nada sirvam”.

Fenprof: “Não basta dizer que as escolas vão estar abertas”

Mário Nogueira, o secretário geral da Federação Nacional dos Professores, reagiu ao anúncio do primeiro-ministro exigindo a inclusão dos professores no grupo de prioritários para a vacina, bem como a realização de testes nas escolas, entre outros.
Comentários