Uber Eats chega a Aveiro para entregar ovos moles e tripas

Freguesias de Glória, Vera Cruz, Esgueira, Cacia, Santa Joana, São Bernardo, Aradas, Oliveirinha, Gafanha da Encarnação, Gafanha da Nazaré e Ílhavo vão passar a usufruir do serviço de entregas da plataforma Uber Eats.

Os habitantes de Aveiro já podem encomendar refeições a partir da aplicação Uber Eats. A aplicação de entregas chegou esta quarta-feira à cidade conhecida pelos seus ovos moles e barcos moliceiros.

Assim, os aveirenses já podem encomendar e ter várias refeições entregues em casa. Segundo o comunicado da empresa, a Uber Eats agrega os “restaurantes favoritos dos aveirenses e turistas nas freguesias de Glória, Vera Cruz, Esgueira, Cacia, Santa Joana, São Bernardo, Aradas, Oliveirinha, Gafanha da Encarnação, Gafanha da Nazaré e Ílhavo”.

A plataforma continua com a parceria exclusiva com a cadeia de fast-food McDonald’s e entrega também sushi do Subenshi, a iguaria da Pastelaria Ramos, as tripas do TêZero, marisco e bacalhau do restaurante Adamastor e hambúrgueres do Revolta e Cais Madeirense.

A taxa de entrega rápida é de 2,90 euros, para qualquer encomenda. O horário de entregas mantém-se o mesmo das outras cidades: 12 horas às 24 horas.

O Uber Eats cobre perto de 30% da população portuguesa estando disponível em 19 cidades portuguesas: Lisboa, Porto, Oeiras, Cascais, Amadora, Loures, Leça da Palmeira, Matosinhos, Almada, Seixal, Sintra, Coimbra, Braga, Setúbal, Faro, Olhão, Loulé, Quarteira e Aveiro.

A oferta da plataforma abrange mais de dois mil restaurantes disponíveis em Portugal, tendo começado com 90 parceiros quando a plataforma arrancou a toda a velocidade em 2017.

Ler mais
Recomendadas

Ordem dos Engenheiros debate falta de água no Tejo

A instituição liderada por Mineiro Aires explica que o ‘Projeto Tejo’ pretende ser a resposta à falta de água que se começa a sentir no rio Tejo e que já afeta fortemente a região do Oeste, situação que se tende a agravar em resultado das alterações climáticas.

Sede da UNESCO vai ter uma horta portuguesa

Ainda não há uma data definida para a implantação do projeto, mas estima-se que até ao final de 2019 a grande horta urbana, com assinatura portuguesa, da sede da UNESCO esteja já em fase de cultura.

Veracruz quer criar em Portugal novo ‘cluster’ da produção de amêndoa

Um dos sócios fundadores da Veracruz, David Carvalho, explica, em entrevista exclusiva ao Jornal Económico, os contorno deste investimento de cerca de 50 milhões de euros nas terras do Fundão e de Idanha-a-Nova
Comentários