UBS vai ser julgado na segunda-feira feira por fraude fiscal

O banco é suspeito de ter, entre 2004 e 2012, enviado ilegalmente vendedores França para convencer clientes a abrir contas não declaradas na Suíça.

O banco suíço UBS vai ser julgado na segunda-feira, em Paris, por fraude fiscal, cerca de dois anos após ter sido condenado a uma multa recorde de 3,7 mil milhões de euros. Inicialmente o julgamento do caso estava agendado para junho de 2020, mais foi adiado devido à pandemia de covid-19.

Conforme avançou a Agência France Presse (AFP), o UBS é suspeito de ter, entre 2004 e 2012, enviado ilegalmente vendedores França para convencer clientes a abrir contas não declaradas na Suíça.

Segundo o Ministério Público, a instituição financeira elaborou uma contabilidade manual paralela para ocultar esses movimentos.

Em 20 de fevereiro de 2019, a instituição financeira foi condenada a pagar 3,7 mil milhões de euros por evasão fiscal, decisão que defendeu não ter “nenhuma evidência concreta”.

Por sua vez, a sua filial francesa UBS França foi condenada a uma multa de 15 milhões de euros.

O tribunal de Paris obrigou ainda o banco, a sua filial e três antigos quadros ao pagamento de indemnizações ao Estado no valor de 800 mil euros.

Ler mais
Recomendadas

Novo Banco: Avaliadores não veem razões para mudanças de valores de imóveis em seis meses

O responsável, ouvido esta quinta-feira na audição do presidente da ANAI Ramiro Teixeira Gomes na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, referia-se a “perdas de imparidades de uma instituição financeira, neste caso o Novo Banco, por via de ativos” imobiliários.

Cavaco lamenta “interpretações abusivas” acerca de declarações sobre BES

O antigo Presidente da República classificou de “intuitos pouco honestos” as declarações de quem fez “interpretações abusivas” das suas palavras sobre o BES antes da resolução, “chegando ao ponto de afirmar” que “tinha incentivado as aplicações em instrumentos financeiros do BES ou do respetivo grupo não financeiro”.

Novo Banco: Luís Filipe Vieira pede adiamento de audição devido a consulta médica

De acordo com o presidente da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, Fernando Negrão (PSD), Luís Filipe Vieira “pediu que a audição fosse adiada para uma data posterior a uma consulta que tem”.
Comentários