UE destina 2,7 mil milhões de euros para o “Erasmus+” em 2018

Em 2018, o programa Erasmus+ continuará a ajudar a implementar as prioridades políticas da Comissão Europeia.

Egídio Santos/U.Porto

A Comissão Europeia prepara-se abrir a receção de candidaturas para o programa Erasmus+, o programa da União Europeia para a mobilidade e a cooperação no domínio da educação, da formação, da juventude e do desporto.

Neste contexto anunciou que o programa deverá contar com um aumento de 200 milhões de euros no seu orçamento anual, podendo atingir os 2,7 mil milhões de euros.

Em 2018, o programa Erasmus+ continuará a ajudar a implementar as prioridades políticas da Comissão, nomeadamente os objetivos fixados nas recentes iniciativas “Uma nova agenda da UE em prol do ensino superior” e “Desenvolvimento das escolas e um ensino da excelência para um melhor começo de vida”.

O objetivo geral destas iniciativas consiste em ajudar os Estados‑Membros a proporcionar aos jovens uma educação de elevada qualidade, inclusiva e voltada para o futuro.

Em conformidade com a Agenda para Novas Competências na Europa, o Erasmus+ continuará a ser um pilar importante na promoção do vasto leque de conhecimentos, aptidões e competências que ajudam as pessoas a singrar num contexto em rápida evolução das sociedades, incluindo competências transversais, tais como a criatividade, a resolução de problemas e o espírito empreendedor.

Recomendadas

Angola e Zâmbia assinam memorando para a construção de pipeline multiprodutos

Segunda-feira, 19 de abril, será assinado em Luanda o memorando de entendimento sobre uma das mais importantes infraestruturas que vão ser construídas em Angola, a partir do porto de Lobito, na província de Benguela, para fazer chegar até à Zâmbia, um pipeline multiuso para transporte de produtos energéticos e combustíveis.

Fundos podem ser “empurrão” europeu para o futuro das cidades

Sempre com a sustentabilidade na mira, a Comissão Europeia pretende promover, como parte da recuperação pós-pandemia, alterações para melhorar a qualidade e condições de vida das populações urbanas.

Patrões defendem que Estado deve recorrer ao BEI para reestruturar dívida das empresas

Em entrevista à “Antena 1/Jornal de Negócios”, António Saraiva revelou que a CIP vai apresentar um pacote de medidas ao Governo nos próximos 15 dias para apoiar as empresas depois do fim das moratórias em setembro.
Comentários