UE e EUA tentam evitar “invasão” da China enquanto Portugal ‘escancara’ as portas, alerta imprensa espanhola

Jornal espanhol “El Economista” salienta o contraste entre a UE e os EUA, por um lado, “cada vez mais preocupados com os fluxos de capitais que chegam da China”, e Portugal, por outro lado, cujo Governo vê com bons olhos OPA da China Three Gorges sobre a EDP e demais investimento direto chinês.

Enquanto a União Europeia (UE) e os Estados Unidos da América (EUA) estão “cada vez mais preocupados com os fluxos de capitais que chegam da China”, na forma de investimento direto estrangeiro, a reação do Governo português perante a Oferta Pública de Aquisição (OPA) da China Three Gorges sobre a EDP “destoa e rompe qualquer esforço da UE para evitar a ‘invasão’ económica do gigante asiático”, salienta o jornal espanhol “El Economista”, na edição de hoje, dia 22 de maio.

“As divergências dentro da Europa geram um sério problema para colocar em marcha as fórmulas que a UE quer implementar como bloqueio, que têm como objetivo evitar que a China se estabeleça em setores estratégicos, transfira conhecimentos-chave para as suas empresas e termine a controlar esses segmentos da economia”, alerta o mesmo jornal.

De acordo com o “El Economista”, a falta de entendimento no seio da Europa viu-se recentemente no caso EDP, isto é, no que concerne à OPA da China Three Gorges sobre a EDP. “O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, mostrou-se absolutamente aberto a receber o investimento direto estrangeiro de Pequim, ainda que isso suponha perder o controlo de uma empresa emblemática”. Ou seja, enquanto a UE e os EUA tentam limitar o investimento chinês, Portugal como que “escancara as portas”.

 

 

Relacionadas

CTG garante que compra da EDP não foi tema da reunião com ministro

A China Three Gorges (CTG) confirmou ter sido recebida pelo ministro-adjunto no primeiro trimestre deste ano, mas garantiu que a Oferta Pública de Aquisição (OPA) à EDP “não poderia ter sido” tema de conversa.

OPA à EDP: PSD quer saber qual o facto que motivou pedido de escusa do ministro Adjunto Pedro Siza Vieira

O PSD anunciou hoje um conjunto de perguntas sobre o pedido de escusa do ministro Adjunto de matérias relativas ao setor elétrico, questionando se este não devia ter acontecido antes e se o Código de Conduta do Governo foi cumprido.

Governo fez alteração à lei que facilita OPA chinesa na EDP

A alteração ao Código dos Valores Mobiliários feita no ano passado que ajuda a promover o investimento por “entidades infra-estaduais estrangeiras” veio facilitar a Oferta Pública de Aquisição (OPA) da China Three Gorges sobre a EDP. Esta mudança na lei, que foi feita no âmbito do Programa Capitalizar, causou “mal estar” nas Finanças e na CMVM, […]

Chineses têm pela frente um “vespeiro regulatório”

CTG terá de superar importantes obstáculos regulatórios em Espanha, numa Comissão Europeia mais protecionista e, ainda, nos EUA.
Recomendadas

Marta Temido: Parecer da PGR diz que greve dos enfermeiros é “ilícita”

Ministério da Saúde reagiu em conferência de imprensa ao parecer do Conselho Consultivo da Procuradoria Geral da República (PGR), pedido em janeiro, que diz que greve cirúrgica é ilegal.

EconPol diz que União Bancária não protege bancos europeus das repercussões de uma crise orçamental italiana

Os planos orçamentais do novo governo italiano têm o potencial de desencadear uma nova crise financeira, diz o analista da EconPol Europe, Timo Wollmershäuser.

Carlos Moedas defende critérios para o investimento estrangeiro na Europa

Carlos Moedas destaca que o investimento chinês na Europa cresceu 600% entre 1995 e 2015, “com claras implicações na distribuição de poder a nível internacional”.
Comentários