UE e EUA tentam evitar “invasão” da China enquanto Portugal ‘escancara’ as portas, alerta imprensa espanhola

Jornal espanhol “El Economista” salienta o contraste entre a UE e os EUA, por um lado, “cada vez mais preocupados com os fluxos de capitais que chegam da China”, e Portugal, por outro lado, cujo Governo vê com bons olhos OPA da China Three Gorges sobre a EDP e demais investimento direto chinês.

Enquanto a União Europeia (UE) e os Estados Unidos da América (EUA) estão “cada vez mais preocupados com os fluxos de capitais que chegam da China”, na forma de investimento direto estrangeiro, a reação do Governo português perante a Oferta Pública de Aquisição (OPA) da China Three Gorges sobre a EDP “destoa e rompe qualquer esforço da UE para evitar a ‘invasão’ económica do gigante asiático”, salienta o jornal espanhol “El Economista”, na edição de hoje, dia 22 de maio.

“As divergências dentro da Europa geram um sério problema para colocar em marcha as fórmulas que a UE quer implementar como bloqueio, que têm como objetivo evitar que a China se estabeleça em setores estratégicos, transfira conhecimentos-chave para as suas empresas e termine a controlar esses segmentos da economia”, alerta o mesmo jornal.

De acordo com o “El Economista”, a falta de entendimento no seio da Europa viu-se recentemente no caso EDP, isto é, no que concerne à OPA da China Three Gorges sobre a EDP. “O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, mostrou-se absolutamente aberto a receber o investimento direto estrangeiro de Pequim, ainda que isso suponha perder o controlo de uma empresa emblemática”. Ou seja, enquanto a UE e os EUA tentam limitar o investimento chinês, Portugal como que “escancara as portas”.

 

 

Relacionadas

CTG garante que compra da EDP não foi tema da reunião com ministro

A China Three Gorges (CTG) confirmou ter sido recebida pelo ministro-adjunto no primeiro trimestre deste ano, mas garantiu que a Oferta Pública de Aquisição (OPA) à EDP “não poderia ter sido” tema de conversa.

OPA à EDP: PSD quer saber qual o facto que motivou pedido de escusa do ministro Adjunto Pedro Siza Vieira

O PSD anunciou hoje um conjunto de perguntas sobre o pedido de escusa do ministro Adjunto de matérias relativas ao setor elétrico, questionando se este não devia ter acontecido antes e se o Código de Conduta do Governo foi cumprido.

Governo fez alteração à lei que facilita OPA chinesa na EDP

A alteração ao Código dos Valores Mobiliários feita no ano passado que ajuda a promover o investimento por “entidades infra-estaduais estrangeiras” veio facilitar a Oferta Pública de Aquisição (OPA) da China Three Gorges sobre a EDP. Esta mudança na lei, que foi feita no âmbito do Programa Capitalizar, causou “mal estar” nas Finanças e na CMVM, […]

Chineses têm pela frente um “vespeiro regulatório”

CTG terá de superar importantes obstáculos regulatórios em Espanha, numa Comissão Europeia mais protecionista e, ainda, nos EUA.
Recomendadas

UTAO estima carga fiscal acima do previsto pelo Governo para este ano

Na apreciação final ao Orçamento do Estado para 2020, os técnicos do Parlamento dizem que a carga fiscal poderá ficar três décimas acima dos 35,1% antecipados pelo Ministério das Finanças para este ano.

UTAO: explicação das Finanças sobre contabilização do reforço de investimento “faz sentido”

Técnicos do Parlamento consideram que o “Ministério das Finanças não tem seguido um padrão coerente na classificação do investimento em termos de medidas de política”.

UTAO: Mudança das Finanças sobre contabilização de contratações “não deixa de ser estranha”

Ministério das Finanças justificou aos técnicos do Parlamento que novas contratações de pessoal para a saúde “não são consideradas como medidas de política”. A UTAO recorda, no entanto, que em 2018 o Governo contabilizou como medida orçamental.
Comentários