“Um Brexit sem acordo pode significar perdas de 2,3 mil milhões de euros para Portugal”

O comentador do PSD considera que Boris Johnson criou um “série de trapalhadas” que podem prejudicar fortemente os países do bloco europeu. Marques Mendes salienta que o setor têxtil português será o principal afetado pelo “hard Brexit”.

O comentador político social-democrata Marques Mendes afirmou, no seu habitual espaço de opinião na SIC, que Boris Johnson foi autor de “um conjunto de trapalhadas” esta semana que podem resultar em prejuízos sérios incluíndo para Portugal.

Citando um estudo da Universidade de Leuven, na Bélgica, Marques Mendes afirmou esta noite que Portugal está na mira dos países que serão afetados pela saída do Reino Unido do bloco europeu sem acordo e conta que “um Brexit sem acordo pode significar para a balança comercial portuguesa uma perda de 2,3 mil milhões de euros. Sobretudo no setor têxteis”.

Na lista dos países menos afetados constam a Grécia, a Croácia e Espanha. Já nos menos afetados o estudo aponta Irlanda, Malta e Bélgica. Portugal aparece na média.

O comentador da SIC refletiu sobre a semana desastrosa do primeiro-ministro britânico e chamou às várias derrotas de “trapalhadas”.

“As eleições antes de 31 de outubro foram recusadas pela oposição”, relembra. “A oposição pediu ajuda da Justiça para que seja cumprida a ordem de pedido de adiamento do Brexit. O Parlamento decidiu adiar, mas adiar não é resolver”, vinca.

“Terceira trapalhada”, continua. “A posse da nova Comissão Europeia (CE). A CE, toma posse a 1 de novembro, mas só pode entrar em funções se tiver todos os comissários reunidos. Qual é o problema? Se o Reino Unido continuar, até janeiro na União Europeia, tem que ter comissário, mas não vai indicar comissário. Se não indicar, não há Comissão. Logo a Comissão não pode entrar em funções”, explica Marques Mendes.

A possível emancipação da Escócia é para Marques Mendes uma outra “trapalhada” dado que pode “abrir uma caixa de pandora terrível” para outros países que tenham a mesma vontade para alcançar a independência, como a Catalunha, País Basco e Flandres.

O comentador deixa claro que existe uma urgência em alcançar um acordo e cita, novamente o estudo: “Se o Reino Unido sair sem acordo serão 13 mil milhões de euros de prejuízo e para a União Europeia 200 mil milhões de euros”, alerta. “Boris Johnson tem que chegar a acordo”, remata.

 

Relacionadas

Brexit: Ministra do Trabalho britânica anuncia demissão em desacordo com estratégia do Governo

Esta semana, Jo Johnson, irmão do primeiro-ministro, também deixou o Governo ao alegar incompatibilidade entre “lealdade à família e o interesse nacional”.

Von der Leyen apresenta terça-feira “nova” Comissão e revela pasta para Portugal

Em termos de género, já é garantido que esta será a Comissão Europeia mais ‘feminina’ de sempre, um objetivo anunciado por Von der Leyen assim que foi designada, o que a levou mesmo a pedir aos Estados-membros que lhe apresentassem candidatos de ambos os sexos, algo que, no entanto, poucos países fizeram.

Deputados britânicos estão dispostos a ir a tribunal para impor adiamento do Brexit

Em causa está a aprovação de um projeto de lei que prevê o adiamento do Brexit para 31 de janeiro, depois de Boris Johnson se ter recusado a adiar a saída do Reino Unido da União Europeia.
Recomendadas

PS insiste que negociações do Orçamento do Estado para 2022 devem continuar na especialidade

José Luís Carneiro reforçou a intenção do PS em “apreciar as propostas” dos parceiros, mas com o propósito de “encontrar os pontos de equilíbrio e de bom senso”, na última das audiências que o Presidente da República manteve com os partidos nesta sexta-feira.

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.
Nuno Melo e Francisco

Nuno Melo abre e Rodrigues dos Santos encerra escola de quadros da Juventude Popular

Atual líder centrista e o eurodeputado que pretende ser o próximo presidente do partido não se irão cruzar no hotel de Portimão onde decorre uma ação de formação que conta com convidados como o social-democrata Miguel Pinto Luz e o socialista Álvaro Beleza, presidente da SEDES.
Comentários