“Um problema racial que diz respeito à classe trabalhadora negra em Portugal”: Manifestação Black Lives Matter em Lisboa

“Esta manifestação decorre do assassinato de Goerge Floyd , mas também de João Pedro no Brasil, uma criança assassinada pela polícia militar. A partir desse momento internacional decidimos mobilizar a comunidade negra cá em Portugal”, contou ao Jornal Económico Yousef, um dos organizados da manifestação que conta com “cerca de 10 mil pessoas de vários bairros”.

A manifestação “Black Lives Matter” em Portugal decorreu este sábado, dia 6 de junho, em Lisboa, motivada pela morte de George Floyd, nos Estados Unidos (EUA). Yousef, organizador do evento e parte integrante do coletivo de consciência negra, refere ao Jornal Económico (JE) que o racismo também afeta o país e que este é “um problema racial que diz respeito à classe trabalhadora negra em Portugal”.

“Esta manifestação decorre do assassinato de Goerge Floyd, mas também de João Pedro, no Brasil, uma criança assassinada pela polícia militar. A partir desse momento internacional decidimos mobilizar a comunidade negra cá em Portugal”, contou Yousef, um dos organizados da manifestação que conta com “cerca de 10 mil pessoas de vários bairros”.

A manifestação teve inicio às 17h30 na Praça do Chile e vai estender-se até ao Terreiro do Paço. Um dos objetivos das reivindicações dos manifestantes “é a recolha de dados étnico racionais”. “Se o presidente nos EUA sabe quantos negros estão na faculdade, quantos negros estão no desemprego, quantos negros têm acesso a determinados serviços ou não têm e se sabe porquê?”, questiona-se sobre o assunto.

“Oficialmente não há estatísticas porque o Estado português não aceita a recolha de dados étnico raciais”, acrescenta ao JE. Yousef garante que é necessário “reivindicar esta luta que é nossa tendo em conta a situação política e económica dos negros em Portugal”.

George Floyd foi assassinado nos EUA por um polícia e na mesma situação está João Pedro Matos Pinto, no Brasil. Ambos foram assassinados no mês de maio. As mortes têm gerado manifestações por todo o mundo. Pelo menos 20 mil pessoas marcharam pelas ruas em Sydney, na Austrália, em solidariedade com os protestos por causa da morte de George Floyd em Minneapolis. Já no Brasil, será organizada amanhã, dia 7 de junho, a segunda marcha “Vidas Negras Importam”.

Relacionadas

Amazon, McDonald’s e outras marcas vão dar milhões para promover igualdade racial

Da McDonalds à Amazon, dezenas de empresas estão comprometidas a ajudar os afro-americanos a combaterem as injustiças que são alvo em território norte-americano. Motivados pelos protestos que estão a acontecer em várias zonas dos Estados Unidos, as empresas vão fazer um conjunto de doações a algumas organizações que promovam a igualdade racial.

Protestos intensificam-se nos Estados Unidos e vendas de gás pimenta disparam

As latas de 14 litros, com um alcance de três metros, tornaram-se no item mais vendido pela Amazon na categoria de ‘desporto e atividades ao ar livre’ seguido das máscaras faciais.

Donald Trump ameaça utilizar Exército para terminar protestos

“Vou enviar milhares e milhares de soldados fortemente armados, militares e agentes da lei para impedir os tumultos, vandalismos, agressões e a destruição arbitrária de propriedades”, referiu Trump.
Recomendadas

Empresários alemães antecipam “desastre económico ” com Brexit sem acordo

Os empresários alemães consideraram hoje que se não houver “regras claras” relativamente ao comércio de mercadorias após o ‘Brexit’, haverá um “desastre económico” para as empresas do país.

Trump promete aprovar reforma da imigração baseada em “méritos”

Trump não revelou pormenores sobre a iniciativa ou os desafios que enfrentaria uma ordem executiva para mudar o sistema de imigração, da responsabilidade do Congresso dos Estados Unidos.

Trump comuta pena de prisão do seu amigo e antigo conselheiro Roger Stone

De acordo com a Procuradoria-Geral dos EUA, Stone atuou como ligação entre a campanha de Trump 2016 e a plataforma WikiLeaks, que divulgou e-mails roubados do Comité Nacional Democrático, prejudiciais para a campanha da candidata presidencial de Hillary Clinton.
Comentários