“Um resultado histórico e virtuoso”: António Costa reage ao melhor défice em democracia

Primeiro-ministro reagiu aos dados do INE que revelam que o défice de 2018 se fixou em 0,5% do PIB. António Costa destaca que resultado coloca Portugal melhor preparado “para a conjuntura internacional e para continuar a reforçar o investimento público”.

O primeiro-ministro classificou o défice de 0,5% do PIB no ano passado como “histórico e virtuoso”. António Costa reagiu através do Twitter à divulgação dos dados do Instituto Nacional de Estatística desta terça-feira.

“Portugal reduziu o défice para 0,5% e a dívida para 121,5%. Um resultado histórico e virtuoso, que não resulta do corte na despesa nem do aumento dos impostos mas do crescimento da economia, do emprego e da recuperação da credibilidade internacional que reduz a despesa com a dívida”, escreveu António Costa num post na rede social.

O primeiro-ministro destacou ainda que a redução do défice “resulta de uma política que devolveu confiança, através da melhoria do rendimento das famílias e o apoio ao investimento das empresas”.

Para António Costa o cenário macroeconómico é um indicador de que o País está agora melhor preparado “para a conjuntura internacional e para continuar a reforçar o investimento público”.

O défice orçamental fixou-se em 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018, ligeiramente abaixo do valor previsto pelo ministro das Finanças, no Parlamento em fevereiro. Os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), esta terça-feira, dão razão ao Governo para sorrir, depois de ter revisto em baixa o rácio inscrito no Orçamento do Estado para 2018 (OE2018) no Programa de Estabilidade, em abril do ano passado, de 1,1% do PIB para 0,7%.

Défice ficou em 0,5% em 2018, o mais baixo de sempre em democracia

Ler mais
Relacionadas

“Esta é uma conquista desta legislatura”, diz Mário Centeno sobre défice histórico

Ministro das Finanças reagiu à divulgação dos dados relativos ao défice do ano passado. O valor fixou-se abaixo da meta do Governo de 0,7%. “Nos últimos três anos, Portugal conseguiu ganhar um estatuto de credibilidade que nunca antes tinha atingido. Mostrámos à Europa que havia uma alternativa”, disse Centeno.

Défice ficou em 0,5% em 2018, o mais baixo de sempre em democracia

Défice orçamental fixou-se em 0,5% do PIB em 2018, 0,2 pontos percentuais abaixo da meta do Governo. Confirmação chegou esta terça-feira, com a primeira notificação de 2019 relativa ao procedimento por défice excessivo, que o INE enviou ao Eurostat.

Poupança das famílias aumentou no último trimestre mas cai no total de 2018

Após uma quebra em 2017, a taxa de poupança familiar volta a cair em 2018 para 4,6%. Ainda assim, no último trimestre do ano passado aumentou face aos trimestres anteriores.
Recomendadas

Mário Centeno: “A economia está a comportar-se muito melhor do que no trimestre anterior”

Ministro das Finanças disse que bons indicadores no primeiro trimestre contrabalançam “momentos de grande incerteza” na economia mundial.

Rui Rio: “Défice foi alcançado à custa de um enorme aumento de impostos”

O presidente do PSD considerou que, face ao andamento da economia internacional que permitiu algum crescimento, “o Governo poderia, com grande facilidade, ter conseguido um resultado substancialmente melhor”, “perto do equilíbrio orçamental”.

Carga fiscal sobe para 35,4% do PIB, o valor mais alto desde 1995

A carga fiscal, que inclui receita de impostos e contribuições efetivas, subiu de 34,4% em 2017 para 35,4% em 2018. O total de receitas de impostos e contribuições sociais ascendeu assim a 71.357,3 milhões de euros no ano passado, contra 67.027,5 milhões no ano anterior.
Comentários