Uma década depois, a maior empresa do mundo continua a mesma

Segundo o ranking da revista Fortune, com base nas receitas das empresas, o líder é do retalho e norte-americano. Poucas empresas se mantêm no top 10, com a tecnologia a ganhar importância.

Ler mais

Apesar de a tecnologia ter ganho importância e de a energia se manter, é mesmo do retalho que vem o líder das maiores empresas do mundo. Segundo o ranking da revista Fortune, a cadeia de supermercados norte-americana Wal Mart continua invencível no primeiro lugar das empresas com maior volume de negócios, tanto no ano passado como há uma década.

Em 2016, a Wal Mart registou receitas superiores a 485 mil milhões de dólares, o que compara com os 379 mil milhões de dólares em 2006. A cadeia de supermercados é, no entanto, a única empresa que mantém a posição.

O segundo lugar é agora pertencente à Berkshire Hathaway, o grupo norte-americano dirigido por Warren Buffett. No ranking referente a 2006, a empresa, que tem agora receitas na ordem dos 223 mil milhões de dólares, não era contemplada. Há dez anos, a segunda posição pertencia à petrolífera Exxon Mobile, que caiu para quarto lugar.

A fechar o pódio estava, em 2016, a (também) norte-americana Apple, com receitas de 215 mil milhões de dólares. Em 2006, o lugar era ocupado pela petrolífera Chevron, que tinha na altura receitas de 210 mil milhões de dólares e foi, deste então, excluída do top 10 das maiores empresa do mundo.

Nas entradas e saídas, a tendência é positiva para o setor da saúde, mas negativa para a banca e seguros. Os grupos de saúde McKesson, UnitedHealth Group e CVS Health aparecem em 2016 no ranking das maiores empresa. Da mesma forma, a telecom AT&T também entrou na lista.

Por outro lado, os bancos CitiGroup e  Bank of America, bem como a seguradora AIG abandonaram o ranking. Na energia, também a petrolífera ConocoPhilips e a elétrica General Eletric foram excluídas. A fabricante de automóveis General Motors desceu da quarta para a oitava posição, enquanto a empresa do mesmo setor Ford Motor passou do sétimo para o décimo lugar.

Recomendadas

Avanços da Mercadona em Portugal não surpreendem

O anúncio de expansão da Mercadona em território nacional veio “agitar as águas”, abrindo a porta à reflexão sobre esta presença, mas também sobre o peso que assumem hoje as insígnias espanholas na distribuição portuguesa.

Marcas ocidentais perdem terreno nas preferências dos consumidores chineses

Enquanto a Apple, IKEA, Nike ou BMW perdem popularidade, marcas chinesas como a Alipay, Huawei ou Taobao sobem no índice de preferência dos consumidores.

Preços da eletricidade e gás em Espanha e Portugal são dos mais caros da União Europeia

No segundo semestre de 2017, a Espanha foi o sexto país da União Europeia com eletricidade mais cara (Portugal foi o quinto), segundo dados compilados pelo Eurostat. No topo desta tabela destacam-se a Alemanha, a Dinamarca e a Bélgica.
Comentários