União Europeia atribui 24,5 milhões de euros de ajuda humanitária à região da África Austral e Oceano Índico

Em parte significativa, esta ajuda humanitária concedida pela UE à região destina-se a fazer face às consequências humanitárias do conflito no Norte de Moçambique, região que receberá uma verba de 7,86 milhões de euros de fundos da UE.

Estevão Chavisso / Lusa

A União Europeia (UE) decidiu atribuir um pacote de 24,5 milhões de euros de ajuda humanitária à região da África Austral e Oceano Índico, incluindo quase oito milhões para Moçambique.

A UE anunciou, na passada sexta-feira, dia 9 de abril, “a concessão de um novo financiamento de 24,5 milhões de euros a título de ajuda humanitária para a região da África Austral e Oceano Índico”.

Segundo um comunicado o RAPID – Representação da Comissão Europeia em Portugal, “a ajuda humanitária concedida pela UE à região destina-se a fazer face às consequências humanitárias do conflito no Norte de Moçambique, região que receberá uma verba de 7,86 milhões de euros de fundos da UE”.

“Além disso, a ajuda da UE irá apoiar medidas destinadas a lutar contra a crise socioeconómica no Zimbabué e contra a insegurança alimentar, bem como medidas em favor da preparação e resposta à Covid-19. Em Madagáscar, a UE prestará assistência para fazer face à grave crise alimentar e nutricional”, adianta o referido comunicado, acrescentando que “será afetado um montante adicional de seis milhões de euros para ajudar as crianças de toda a região a terem acesso à educação”.

“Serão ainda disponibilizados oito milhões de euros para melhorar a preparação da região para catástrofes”, conclui a nota informativa do RAPID.

Recomendadas

Marcelo Rebelo de Sousa deseja contactos institucionais na Guiné-Bissau num clima “o mais plural possível”

“É como o pluralismo na Assembleia [Nacional Popular da Guiné-Bissau], onde eu vou ter oportunidade de encontrar representantes de várias formações de opinião política e de expressão política da vida guineense”, salientou, declarando que “Portugal quer verdadeiramente abraçar todos os guineenses”.

Índia ultrapassa 25 milhões de casos e regista novo recorde de mortes

A braços com uma segunda vaga com um impacto sem precedentes no sistema de saúde, com falta de oxigénio e de camas, a Índia registou um declínio gradual do número de casos nos últimos dias, após ter atingido mais de 400 mil contágios, há duas semanas.

PIB do Japão contrai 1,9% no primeiro trimestre

A contração do primeiro trimestre de 2021 deve-se principalmente ao declínio anual de 3,3% do consumo doméstico, o principal pilar do PIB japonês.
Comentários