“União Europeia é exemplo de resposta positiva à pandemia”, defende Augusto Santos Silva

Participando na 4ª Conferência de Lisboa, o ministro dos Negócios Estrangeiros disse que as organizações mundiais da saúde e do comércio carecem de uma reforma profunda, sob pena de perderem eficácia.

Num mundo virado às avessas pela pandemia de Covid-19, a “capacidade que a União Europeia teve de se reinventar e de acelerar as escolhas necessárias” para, de forma consertada e comum, enfrentar os desafios da emergência sanitária, é da maior relevância, segundo disse o ministros dos Negócios Estrangeiros, Augusto Satos Silva.

Intervindo (com o vídeo pré-gravado) na 4ª Conferência de Lisboa 2020, da responsabilidade do Clube de Lisboa, Santos Silva admitiu que “a primeira resposta à pandemia foi descoordenada e insuficiente”, dado que “ninguém sabia” aquilo que tinha pela frente, mas recordou que a partir do “Conselho Europeu de julho” tudo mudou.

Nomeadamente porque, em tempo recorde e sem excessos de subtilezas nacionais, “foi decidida a primeira emissão conjunta de dívida garantida por todos nós”, o que não só serviu “para quebrar um tabu que nos paralisava”, como foi necessário e suficiente para demonstrar a flexibilidade e a pouca morosidade das decisões centralizadas na Comissão Europeia.

O investimento nos recursos próprios, a transição ambiental (nomeadamente no que tem a ver com a resposta às alterações climáticas) e a aposta na resiliência produtiva – tudo fruto de um esforço de investimento financeiro comum – colocou aquela reunião magna de presidentes e chefes de Estado dos 27 num patamar que a própria União nunca antes havia atingido, na opinião de Augusto Santos Silva.

Numa conferência subordinada ao tema ‘A aceleração das mudanças globais’, o ministro dos Negócios Estrangeiros deixou três temas de reflexão, que importa esmiuçar – e que o Clube de Lisboa se encarregará de fazer: como responder coletivamente e de forma multilateral aos desafios globais; como vão as grandes potências e as regiões sair do esforço de combate à pandemia e da própria pandemia; e “quais são as consequências destas duas questões para a ordem global”.

Recordando que a Covid-19 “toca a todos mas não toca a todos de forma idêntica”, Santos Silva afirmou que a África e a América Latina estão do lado errado das consequências sanitárias da pandemia. Entre outros razões, porque “a Organização Mundial da Saúde não pôde agir por consenso e com toda a capacidade analítica” de que deveria dispor. Parecendo ser uma crítica à falta de informação que (não) circulava entre a OMS e a China, onde o vírus se manifestou pela primeira vez, Santos Silva disse que “a reforma da ONU”, que considerou necessária para manter um elevado grau de resposta multilateral aos problemas globais, tem de passar pela reforma “quer da OMS quer da Organização Mundial do Comércio” – duas instituições que a Casa Branca diz estarem cercadas pelo governo chinês.

Mesmo assim, Santos Silva disse ser a favor de um mundo pluripolar, onde várias regiões e várias potências mundiais possam existir em paralelo, uma vez que é desta diversidade que nasce o fundamental “equilíbrio” entre as diversas vontades planetárias.

Ler mais
Recomendadas

PAN: “Estado de Emergência não significa necessariamente que tenha que existir um confinamento”

Em declarações ao Jornal Económico, Inês Sousa-Real assinala que “o que importa neste momento é percebermos onde é que estão as cadeias de transmissão”, defendendo que proporcionalidade e adequação das medidas consoante as localidades e regiões.

“Não desistimos de nenhuma batalha antes de acabar”. PCP apresenta propostas de alteração ao OE 2021

Entre as medidas apresentadas, no campo da justiça fiscal, João Oliveira anunciou que os comunistas pretendem a “atualização dos escalões IRS, o aumento de mais um escalão neste imposto aumentando a progressividade do mesmo, bem como o aumento dos chamados valores do mínimo de existência e dedução especifica, permitindo cumprir o objetivo de redução da tributação dos rendimentos mais baixos, intermédios”.

Governo vai ter de responder a providência cautelar do Chega contra restrições à circulação sem estado de emergência

Supremo Tribunal Administrativo dá 24 horas ao Conselho de Ministros para se pronunciar sobre alegação de inconstitucionalidade da resolução que proíbe deslocações entre concelhos das 00h00 de sábado até às 06h00 da próxima terça-feira.
Comentários