Vacinação dos adolescentes arranca a 14 de agosto (com áudio)

A informação foi dada pelo vice-almirante Gouveia e Melo durante a reunião no Infarmed. “Esta é uma faixa que corresponde a 1,5 milhões de pessoas”, realçou.

António Cotrim/Lusa

Os adolescentes portugueses vão começar a ser vacinados contra a Covid-19 a partir do dia 14 de agosto. A informação foi avançada pelo vice-almirante Gouveia e Melo durante a reunião no Infarmed que decorre esta terça-feira, 27 de julho.

“A 14 de agosto vamos iniciar a vacinação dos adolescentes de 16 e 17 anos, mas depois entre os 12 e 15 anos nos dois fins de semana seguintes, se a DGS concordar. Esta é uma faixa que corresponde a 1,5 milhões de pessoas”, referiu o coordenador da task-force.

Gouveia e Melo revelou que no primeiro trimestre do ano foram adquiridas 4,4 milhões de vacinas, mas que Portugal só recebeu 2,3 milhões. No segundo trimestre foram compradas mais 11 milhões de vacinas e recebidas 7,1 milhões de vacinas.

“Nos últimos dois dias transitaram 1,35 milhões de vacinas para o terceiro trimestre, onde tínhamos contratado 10 milhões de vacinas e se tudo correr bem vamos ter disponíveis 10,6 milhões de vacinas com reforços e as transferências do segundo trimestre”, afirmou o vice-almirante.

Gouveia e Melo deu também a indicação de que o país vai perder cerca de 470 mil vacinas da Astrazeneca porque já não fazem sentido no plano de vacinação nacional, “mas há um esforço quer do Infarmed, quer do Ministério da Saúde para adquirir vacinas em parceiros europeus e que pode trazer ao nosso plano de vacinação, na semana que passou e nas duas próximas semanas cerca de um milhão de vacinas”.

O coordenador da task-force disse ainda que nos três primeiros trimestres Portugal ficou com menos 5,4 milhões de vacinas do que era previsto inicialmente, sendo que no quarto trimestre, a previsão era de receber 8,5 milhões de vacinas, “mas se tudo correr bem vamos receber 5,2 milhões de vacinas”.

“Tivemos uma maior disponibilidade de vacinas em julho e teríamos uma disponibilidade menor disponibilidade em agosto, não fosse estas negociações que estão a ser conduzidas pelo Infarmed e Ministério da Saúde para ir buscar vacinas da Janssen e Pfizer a parceiros europeus”, salientou Gouveia e Melo.

O coordenador da task-force salientou que o país já está numa fase bastante avançada da segunda fase e que será atingida 70% das primeiras doses no dia 8 de agosto e 70% das segundas doses no fim de agosto, início de setembro. “Chegaram a território nacional cerca de 13 milhões de vacinas. Para as regiões dos Açores e Madeira foram 1,6 milhões e foram doadas 200 mil vacinas, ficando no Continente 12 milhões de vacinas. Destas já aplicamos 11,2 milhões e esta semana ainda estamos a aplicar cerca de 600 mil e vamos ficar com um stock de 200 mil vacinas”, frisou.

Relacionadas

Lisboa e Vale do Tejo, Algarve, Açores e Madeira com maior incidência na quarta vaga

A análise do INSA revela que se observaram dois “distintos padrões” ao longo da quarta vaga pandémica, onde primeiramente se verificou um crescimento mais precoce e posteriormente uma inversão da onda pandémica e com redução do número de casos.
Sessão do Infarmed COvid-19

Variante Delta corresponde a 98,6% dos casos em Portugal (com áudio)

Médico do Instituto Nacional Ricardo Jorge adiantou que não há muito mais para descobrir deste vírus no que diz respeito a novas mutações, mas há novas combinações de mutações. “A vacina tem sido eficaz com todas as mutações”, referiu.
Sessão COvid-19 no Infarmed

Algarve e Lisboa e Vale do Tejo em fase de diminuição da incidência, diz DGS

A informação foi avançada por André Peralta Santos na reunião no Infarmed que decorre esta terça-feira. Responsável adiantou contudo, que esta tendência nas duas regiões tem de ser confirmada com a evolução da situação epidemiológica nesta semana.
Recomendadas

“Lisboa estava em sentada em tanto dinheiro de impostos que nem sabia o que lhe fazer”, realça candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considera que é importante estancar o aumento de trabalhadores na Câmara Municipal de Lisboa e diminuir os “10 a 12 milhões em avenças e os 13 milhões em horas extraordinárias”.

Peritos apostam na vacinação, testagem, medidas sanitárias e gestão de risco

A testagem foi igualmente defendida pela especialista do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto. Neste aspeto, sobressaiu a defesa de um ajuste nas estratégias de testagem, através da “identificação de populações de maior risco e promoção dos testes gratuitos” em locais validados e incluindo grupos vacinados.

Ministro brasileiro obrigado a fazer quarentena nos Estados Unidos

Marcelo Queiroga, responsável pela pasta da Saúde no Brasil, esteve em contacto com pelo menos 30 pessoas no debate na ONU e testou positivo para a Covid-19, apesar de, ao contrário de Jair Bolsonaro, não estar vacinado.
Comentários