Vacinas. União Europeia vai propor prazo de validade de nove meses para viagens (com áudio)

Numa altura em que a Europa enfrenta uma nova vaga de casos de Covid-19, a União Europeia quer que sejam dadas doses de reforço nove meses após a última toma da vacina para quem pretenda viajar entre os 27 estados-membros.

A União Europeia (UE) vai recomendar um prazo de validade de nove meses das vacinas contra a Covid-19 para quem deseje viajar entre os 27 estados-membros, revela a “Bloomberg” esta quinta-feira, 25 de novembro. A decisão deverá ser conhecida durante o dia de hoje.

O documento da UE a que a “Bloomberg” teve acesso expressa também a vontade de que todos os países reabram as suas fronteiras a todos aqueles que foram vacinados com vacinas aprovadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Numa altura em que a Europa enfrenta uma nova vaga de casos de Covid-19 a Comissão Europeia está planear descontinuar a sua lista de países onde todos os viajantes são permitidos, independentemente do processo de vacinação de cada um a partir de 1 de março. A partir dessa data, os viajantes vacinados e recuperados com certificado digital da Covid podem viajar pela Europa.

A Alemanha está considerar a vacinação como obrigatória para alguns pessoas com a saúde mais vulnerável, a Itália impôs limites para pessoas não vacinadas e a Dinamarca está ponderar a utilização de máscaras nos transportes públicos, enquanto a Áustria restringiu as viagens de lazer como parte de um confinamento de três semanas.

Esta proposta da UE vai de encontro à pressão que os governos europeus têm vindo a fazer, no sentido de aliviar as restrições nas viagens.

Recomendadas

SEDES propõe mais deputados eleitos pelas comunidades para melhorar relação com Portugal

O aumento do número de deputados eleitos pelos emigrantes e a adoção do voto eletrónico são algumas propostas apresentadas hoje pela SEDES para melhorar a relação entre Portugal e as suas comunidades no mundo. No seu V congresso, que decorre desde sexta-feira e até domingo em Carcavelos, concelho de Cascais, a SEDES – Associação para […]

PremiumEconomista Sérgio Rebelo diz que “é importante evitar os cortes súbitos de despesa e subidas de impostos”

O economista português, professor nos EUA, alerta que instabilidade política pode “facilmente” criar instabilidade económica com impacto para o refinanciamento da dívida portuguesa e diz que o país tem pouco espaço fiscal.

Imobiliário: tecnologia “abre a porta” a investimentos nacionais e estrangeiros

A tecnologia está a transformar de forma profunda a gestão das transações e o fecho das operações deste sector, numa tendência que já se verificava e que se intensificou com a pandemia e o incremento das soluções tecnológicas, exemplifica Ricardo Sousa, CEO da Century 21 Portugal.
Comentários