Vai pedir um crédito pessoal para viajar ou fazer férias? Saiba se é boa ideia

O ideal é poupar o máximo para pagar as despesas a pronto ou socorrer-se de meios de pagamento sem juros. Se, ainda assim, não pode pagar a pronto, considere as modalidades de pagamento mais baratas.

Com as férias à porta são muitos os consumidores que caem na tentação de contrair um crédito pessoal para esse efeito. Mas esta quase nunca é boa opção. O ideal é poupar o máximo para pagar as despesas a pronto ou socorrer-se de meios de pagamento sem juros. Se, ainda assim, não pode pagar a pronto, considere as modalidades de pagamento mais baratas.

Que estratégias pode o consumidor seguir? Apresentamos várias possibilidades:

1 – É possível viajar com taxa zero?

Sobretudo no Verão, as agências de viagens multiplicam-se em ofertas de pacotes de férias. Se encontrou o que procurava e a agência não cobra juros pelo pagamento em prestações, esta pode ser uma opção com menos preocupações, mas fique atento ao preço das viagens: “0% de juros” nem sempre é sinónimo de pacote mais barato. Antes de contratar, pergunte o preço em várias agências e faça contas.

2 – Usar o cartão de crédito pode ser outra forma de fazer férias sem juros se liquidar a dívida nos 20 a 50 dias seguintes. Todavia, esta modalidade fica limitada ao valor do crédito disponibilizado pelo banco (plafond).

Caso pretenda um destino mais caro que, nem a agência nem o cartão permitam pagar sem custos acrescidos, e pondera a hipótese de recorrer ao financiamento, considere as modalidades de pagamento com juros.

3 – O crédito com penhor de uma aplicação financeira, como uma conta-poupança ou um fundo de investimento, é mais barato do que o crédito pessoal tradicional, já que o cliente apresenta uma garantia real.

4. Caso não tenha uma garantia, o crédito pessoal também é solução, mas a evitar, pois além de uma livrança, a maioria dos bancos exige seguro de vida e alguns o de proteção de crédito.

 

Informe-se dos seus direitos de consumidor.

Ler mais
Recomendadas

CAP diz que Investimentos florestais com apoio PDR 2020 têm “taxa execução baixa”

Acrescenta aquela Confederação que, avaliada em 31 de Julho, “a taxa de execução financeira do conjunto das operações de âmbito florestal do PDR 2020 era de apenas 39%”.

Pedido Único recebeu 171.350 candidaturas no continente na campanha 2019

O Pedido Único consiste no pedido de pagamento directo das ajudas que integram os regimes sujeitos ao Sistema Integrado de Gestão e de Controlo, previsto na regulamentação comunitária.

Jornadas de Alimentação Animal. IACA debate impacto da descarbonização no sector

Nas Jornadas vai ser apresentado o InovFeed, o Laboratório Colaborativo para a Alimentação Animal, recentemente aprovado, numa parceria com o INIAV.
Comentários