Vale e Azevedo foge para Londres num jato privado, para escapar a nova pena de prisão

O jornal “Correiod a Manhã” relata que Vale e Azevedo e a mulher fugiram para Londres, a 14 de junho, dias antes de serem emitidos mandados de detenção para o cumprimento de uma pena de 10 anos de prisão, por burlas ao Benfica.

O advogado e ex-presidente do Benfica fugiu para Londres num jato privado, que alugou por quase 20 mil euros, apesar de declarar ao Estado que vivia com apenas 441 euros por mês e dos legumes que planta na sua quinta de Sintra, noticia o “Correio da Manhã” na edição desta terça-feira, 25 de setembro.

O jornal relata que Vale e Azevedo e a mulher fugiram para Londres, a 14 de junho, dias antes de serem emitidos mandados de detenção para o cumprimento de uma pena de 10 anos de prisão, por burlas ao Benfica, relacionadas com as transferências dos jogadores Scott Minto, Gary Charles, Tahar e Amaral.

Esta pena de prisão sucede a uma outra, de 11 anos e meios, dos quais foram já cumpridos cinco sextos, relacionada com diversas burlas.

Segundo o “Correio da Manhã”, Vale a Azevedo antecipou-se ao mandado de prisão fretando um jato Citation VII e vive, agora, em Londres.

Relacionadas

E-toupeira: novos emails divulgados indiciam ofertas a árbitros

“Correio da Manhã” e “Record” noticiam mensagens publicadas no blog intitulado “Mercado de Benfica” indiciam a existência de ofertas a árbitros, que incluem prostituição e o pagamento de contas de hotel, assim como registam a existência de uma relação estreita entre o Benfica e as suas claques.

SL Benfica anuncia saída de Paulo Gonçalves

Luís Filipe Vieira aceitou a demissão do assessor jurídico que deixa o clube da Luz ao fim de 12 anos.
Recomendadas
André-Matias-de-Almeida-Antram.jpg

Justiça investigou gastos de 30 mil euros de porta-voz da Antram em 2013-2014

A queixa-crime apresentada ao Ministério Público baseava-se na discrepância de 30 mil euros entre as faturas apresentadas pelo tesoureiro e o dinheiro que efetivamente saiu da conta bancária da associação, durante o mandato de André Matias de Almeida.

PremiumJustiça investiga três dos candidatos do PSD a deputados na Assembleia da República

Em causa estão crimes de corrupção, abuso de poder e falsidade informática. Visados são obrigados a apresentar demissão, caso sejam condenados. Direção do PSD recusa “julgamentos em praça pública”.

Pardal Henriques reage à acusação da PGR: “Nunca fiz nenhuma burla e aguardo para ser notificado”

O porta-voz do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) afirma que em abril o Departamento de Investigação e Ação Penal “respondeu-nos que não existia queixa nenhuma”.
Comentários