Vale e Azevedo foge para Londres num jato privado, para escapar a nova pena de prisão

O jornal “Correiod a Manhã” relata que Vale e Azevedo e a mulher fugiram para Londres, a 14 de junho, dias antes de serem emitidos mandados de detenção para o cumprimento de uma pena de 10 anos de prisão, por burlas ao Benfica.

O advogado e ex-presidente do Benfica fugiu para Londres num jato privado, que alugou por quase 20 mil euros, apesar de declarar ao Estado que vivia com apenas 441 euros por mês e dos legumes que planta na sua quinta de Sintra, noticia o “Correio da Manhã” na edição desta terça-feira, 25 de setembro.

O jornal relata que Vale e Azevedo e a mulher fugiram para Londres, a 14 de junho, dias antes de serem emitidos mandados de detenção para o cumprimento de uma pena de 10 anos de prisão, por burlas ao Benfica, relacionadas com as transferências dos jogadores Scott Minto, Gary Charles, Tahar e Amaral.

Esta pena de prisão sucede a uma outra, de 11 anos e meios, dos quais foram já cumpridos cinco sextos, relacionada com diversas burlas.

Segundo o “Correio da Manhã”, Vale a Azevedo antecipou-se ao mandado de prisão fretando um jato Citation VII e vive, agora, em Londres.

Relacionadas

E-toupeira: novos emails divulgados indiciam ofertas a árbitros

“Correio da Manhã” e “Record” noticiam mensagens publicadas no blog intitulado “Mercado de Benfica” indiciam a existência de ofertas a árbitros, que incluem prostituição e o pagamento de contas de hotel, assim como registam a existência de uma relação estreita entre o Benfica e as suas claques.

SL Benfica anuncia saída de Paulo Gonçalves

Luís Filipe Vieira aceitou a demissão do assessor jurídico que deixa o clube da Luz ao fim de 12 anos.
Recomendadas

Julian Assange acusado de 17 crimes nos Estados Unidos

Julian Assange encontra-se atualmente preso no Reino Unido depois de ter sido retirado da embaixada do Equador onde estava exilado.

Ana Gomes: “Fraude-carrossel desvia 50 mil milhões por ano do Orçamento Europeu”

Em declarações ao Jornal Económico, no âmbito da Conferência Internacional sobre Prevenção e Deteção do Branqueamento, a eurodeputada explicou as medidas que estão a ser tomadas pelas autoridades europeias no combate à fraude fiscal e ao branqueamento de capitais.

Ana Gomes: “As injustiças eram flagrantes e não era possível continuar a fechar os olhos”

Prestes a deixar Estrasburgo, a socialista falou sobre a atuação do Parlamento Europeu na Conferência Internacional sobre Prevenção e Deteção do Branqueamento, que está a decorrer nesta quinta-feira em Lisboa.
Comentários