Valor médio das rendas fixa-se nos 5,41 euros por metro quadrado

Esta valor representa uma descida de 9,8% pontos percentuais (p.p) nos novos contratos de arrendamento. No segundo trimestre de 2020, houve uma redução do valor médio das rendas face ao período homólogo em 12 dos 24 municípios com mais de 100 mil habitantes.

O valor médio das renda em novos contratos de arrendamento fixou-se nos 5,41 euros m2 no segundo trimestre de 2020. A variação homóloga do valor da renda mediana de novos contratos foi de +0,2% no país, menos 9,8 pontos percentuais (p.p.) que a taxa respeitante ao primeiro trimestre, segundo as estatísticas de rendas da habitação ao nível local divulgadas esta quinta-feira, 24 de setembro, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

A redução foi superior ao padrão nacional em 10 municípios, nomeadamente, Setúbal (-20,2 p.p.), Almada (-17,0 p.p.), Matosinhos (-16,3 p.p.), Cascais (-15,7 p.p.), Lisboa (-10,1 p.p.) e Oeiras (-10,0 p.p.).

No 2º trimestre de 2020, houve mesmo uma redução do valor médio das rendas face ao período homólogo em 12 dos 24 municípios com mais de 100 mil habitantes. Nas áreas metropolitanas destacavam-se com valores de novos contratos de arrendamento mais elevados e simultaneamente com diminuição homóloga de rendas medianas, os municípios de Cascais (com uma variação de -10,1%), Lisboa (-6,4%), Porto (-1,1%) e Oeiras (-0,1%).

No segundo trimestre de 2020, o número de novos contratos de arrendamento no país aumentaram 4,8% face ao mesmo período do ano anterior (4,2% no trimestre anterior).

No primeiro semestre de 2020 (últimos 12 meses), o valor médio das rendas dos 74.088 novos contratos de arrendamento de alojamentos familiares em Portugal atingiu 5,47 euros/m2, aumentando +9,4% face ao período homólogo. No semestre anterior essa taxa tinha sido de mais 10,8%.

A Área Metropolitana de Lisboa verificou cerca de um terço dos novos contratos de arrendamento (24.185). As áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto representaram, em conjunto, 50% do total de novos contratos do país e o Algarve 5,8%.

No primeiro semestre de 2020 (últimos 12 meses), 35 municípios apresentaram rendas acima do valor nacional. Lisboa apresentou o valor mais elevado do país (11,92 euros/m2), destacando-se ainda, com valores iguais ou superiores a 7 euros/m2, Cascais (10,58 euros/m2), Oeiras (10,35 euros/m2), Porto (8,93 euros/m2), Amadora (8,74 euros/m2), Odivelas (8,06 euros/m2), Almada, (8,01 euros/m2), Matosinhos (7,76 euros/m2), Loures (7,54 euros/m2), Albufeira (7,29 euros/m2), Loulé (7,20 euros/m2), Sintra (7,10 euros/m2), Lagos (7,08 euros/m2) e Portimão (7,02 euros/m2), mais três municípios que os assinalados no semestre anterior: Sintra, Lagos e Portimão.

Ler mais
Recomendadas

Saiba como funcionam as garantias para os bens comprados digitalmente

Só no negócio entre particulares é que não existe garantia e esta situação é muito comum nas compras online.

Preço médio das rendas subiu perto de 2% em setembro

Viana do Castelo, Viseu, Porto e Aveiro foram os distritos que apresentaram a maior variação no preço médio. Em sentido inverso, Bragança registou a maior quebra no preço médio de arrendamento face ao mês de agosto, de acordo com os dados do portal Imovirtual.

Saiba o que é o bloqueio geográfico e como pode afetar os consumidores

Recentemente, a DECO analisou vários sites comerciais e verificou-se que, pelo menos, 28 empresas não faziam entregas na Região Autónoma da Madeira, não possibilitando assim a compra digital dos seus bens. Mesmo até quando o consumidor sugere suportar os custos de entrega associados tal não é exequível.
Comentários