PremiumVenda do BPN ainda pode custar 100 milhões

As sociedades PARs – Parvalorem, Parups e Parparticipadas –, foram criadas ligadas ao BPN nacionalizado. Ficaram debaixo do BPN nacionalizado e isso serviu basicamente para poder colocar nas PAR alguns ativos e ter uma gestão mais agilizada dos ativos que ficaram lá.

As sociedades PARs – Parvalorem, Parups e Parparticipadas –, foram criadas ligadas ao BPN nacionalizado. Ficaram debaixo do BPN nacionalizado e isso serviu basicamente para poder colocar nas PAR alguns ativos e ter uma gestão mais agilizada dos ativos que ficaram lá. Aconteceu quase no termo do mandato em que Carlos Costa Pina foi secretário de Estado do Tesouro e Finanças do XVIII Governo (que terminou em 2011), em que José Sócrates foi Primeiro Ministro. Depois, a Parvalorem transitou para a Direção-Geral do Tesouro e Finanças (DGTF) porque numa sondagem de mercado que o Governo de Sócrates ainda fez, perceberam que havia um conjunto de ativos que eram invendáveis, ou seja, se fizessem parte do BPN reprivatizado, digamos que o seu processo de colocação em venda seria difícil, para não dizer que provavelmente o banco não conseguiria ser vendido.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas
João Paulo Correia

Novo Banco: PS acusa PSD de querer ganhar na secretaria o que não ganhou com inquérito

“O Partido Socialista esperava da parte do PSD uma posição mais responsável e mais construtiva nesta fase do inquérito. O PSD sente-se tentado a ganhar na secretaria aquilo que não foram os ganhos que espera ter durante os trabalhos do inquérito”, afirmou o deputado socialista João Paulo Correia.

Banco de Portugal divulga primeiro Relatório de Sustentabilidade

Destacam-se, pela sua relevância no contexto da crise pandémica, as ações de comunicação sobre as moratórias e sobre os serviços de pagamento eletrónicos, bem como o protocolo assinado com o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social para a promoção dos serviços mínimos bancários”, diz o BdP.

BCE autoriza bancos a distribuírem livremente dividendos a partir de outubro

A recomendação sobre dividendos permanece aplicável até 30 de setembro de 2021, ou seja, as próximas decisões de pagamento de dividendos devem ocorrer no quarto trimestre de 2021, diz o BCE que liberta assim os bancos para distribuírem dividendos aos seus acionistas a partir de outubro.