Vendas da Nestlé Portugal cresceram 4,2% em 2020, para 565 milhões de euros

As exportações da multinacional suíça a partir de Portugal no ano passado ascenderam a cerca de 96 milhões de euros, mais 7% do que no exercício precedente.

As vendas da Nestlé Portugal em 2020 cresceram 4,2%, para um montante de 565 milhões de euros. Este valor representa um aumento de receitas de mais de 80 milhões de euros nos últimos três anos.

Segundo os responsáveis da multinacional suíça, estes resultados “espelham o reforço da confiança na marca Nestlé em Portugal”.

As vendas totais da Nestlé em Portugal no ano passado, traduziram também um crescimento em valor “acima do mercado, atingindo 35% de quota de mercado nas categorias onde operamos”, salientam os responsáveis da empresa reportando-se a dados da Nielsen Retail a categorias de produtos alimentares em que a empresa está presente no mercado nacional.

Entretanto, as exportações da Nestlé Portugal no ano passado ascenderam a cerca de 96 milhões de euros, mais 7% do que no exercício precedente.

A Nestlé Portugal investiu 71 milhões de euros no ano passado, para reforçar a inovação e as operações.

“A transformação do portefólio a inovação cresceu 58,5% em valor, representando 65 milhões do total das vendas, e um peso de 12% no total do negócio”, revela a administração da Nestlé Portugal, sublinhando o papel da inovação como peça fundamental no reforço da confiança dos consumidores.

“Os excelentes resultados que obtivemos em 2020 são consequência direta da confiança que a Nestlé tem vindo a ganhar e a confirmar, nos últimos anos, junto da sociedade portuguesa. Temos vindo a trabalhar de uma forma consistente com os nossos propósitos para maximizar continuamente a confiança que merecemos de todos os nossos ‘stakeholders’. Em 2020, um ano difícil e desafiante, com características trágicas e uma dinâmica única, veio confirmar a relevância do papel que a Nestlé desempenha em Portugal, enquanto companhia líder em alimentação e bebidas”, resume um comunicado da empresa.

Segundo esse documento, as três principais prioridades da Nestlé Portugal em 2020 foram “proteger as nossas pessoas e as suas famílias, apoiar a sociedade, as comunidades e os nossos parceiros de negócio; assegurar a continuidade dos negócios, garantindo a cadeia alimentar durante os duros meses de confinamento a que todos estivemos sujeitos em 2020; e promover a sustentabilidade ambiental das nossas operações e liderar a transformação ‘end-to-end’ do sistema alimentar (‘Regenerative Food System’)”.

“O cumprimento destas três prioridades resultou em elevados níveis de confiança, percebidos por todos os nossos ‘stakeholders’. Internamente, as nossas pessoas confirmaram estar extremamente alinhadas com a nossa estratégia e com a nossa forma de estar nos negócios, incluindo a forma como as protegemos e aos nossos parceiros. De acordo com o Inquérito de Clima Organizacional – Nestlé&Eu – 95% das nossas pessoas sentem-se orgulhosas por trabalhar na Nestlé e afirmam estar totalmente alinhadas com os objetivos da empresa e 94% dos colaboradores sentem que o ambiente de trabalho na Nestlé é promotor da diversidade cultural e de género”, adianta o referido comunicado.

Os responsáveis da Nestlé Portugal asseguram ainda que a relação com os seus clientes saiu reforçada durante 2020: “de facto, da avaliação feita pelos seus principais clientes da grande distribuição através do ‘Advantage Group Survey’, resulta evidente a melhoria da ‘performance’ da Nestlé em sete das oito áreas de negócio relacionadas com a parte comercial analisadas, tendo a Nestlé sido considerada como número um no mercado relativamente ao seu ‘Customer Service'”.

“A grande maioria das nossas categorias aumentaram a sua quota de mercado, confirmando a confiança e a preferência dos consumidores portugueses nas marcas da Nestlé”, salienta o comunicado em questão.

O comunicado da Nestlé Portugal relembra que, durante a pandemia, a empresa “implementou todos os protocolos de segurança nas diversas estruturas que tem no país, antecipando-se muitas vezes às medidas definidas pelas autoridades e indo além dos regulamentos oficiais”.

“Com o início da pandemia, tornou-se imediatamente obrigatório, em todos os locais, o uso de máscaras e a medição de temperatura e, até hoje, foram realizados mais de 2000 testes de despistagem de Covid-19, em campanhas quinzenais. O trabalho flexível (disponível na Nestlé desde 2018) passou a ser regra para todos os colaboradores sem funções operacionais (fábricas, centros de distribuição e vendas). Em menos de uma semana colocámos cerca de 1.300 pessoas a trabalhar a partir de casa, assegurando-lhes todos os meios tecnológicos necessários. Estabelecemos também medidas de proteção ao emprego e ao salário, garantindo o pagamento de salário por um período de 12 semanas a todos os colaboradores que, por motivos de pandemia, ficassem impedidos de trabalhar”, asseguram os responsáveis da multinacional suíça.

O mesmo documento garante que “aos colaboradores na linha da frente das operações (fábricas e centros de distribuição), que durante o cerco de Ovar asseguraram a continuidade da produção e distribuição, demos um apoio de mais 20% no salário; para os colaboradores da equipa de vendas do canal fora do lar mantivemos as comissões de vendas, apesar de este canal ter permanecido fechado durante os períodos de confinamento”.

Em 2020, a Nestlé diz que gerou 385 oportunidades de emprego, pelo que a equipa da Nestlé Portugal conta agora com um total de 2.311 colaboradores de 43 nacionalidades, uma diversidade de culturas que em muito tem contribuído para consolidar o nosso posicionamento como fonte de talento digital, acrescentando que, em 2020, 5% das nossas contratações foram na área das competências digitais.

“Ainda a nível da diversidade, a Nestlé atingiu em 2020 a paridade de género, tendo atualmente 50% de colaboradores mulheres e 50% homens. Neste parâmetro, a nível de cargos de chefia 51% são desempenhados por mulheres e em todos os níveis da organização a Nestlé pratica uma política de não discriminação salarial não tendo assim nenhum ‘gender pay gap'”, assumem os responsáveis da Nestlé Portugal.

Ler mais
Recomendadas

PremiumPrincipal desafio para desenvolver agroindústria é o conhecimento

Promotores de conferência para uma visão estratégica defendem que o conhecimento é a chave para desafios da sustentabilidade e produtividade.

Agroindústria portuguesa tem condições para continuar a crescer, mas deve investir no conhecimento

O presidente da Lusomorango, Luís Pinheiro, e o diretor do Centro de Estudos Aplicados da Universidade Católica, Ricardo Reis, defendem que o sector agroindustrial tem condições para se desenvolver, no início da última conferência do ciclo para a concretização de uma visão estratégica para o agroalimentar em Portugal

Conferência sobre o agroalimentar e o Pacto Ecológico Europeu realiza-se esta quarta-feira. Veja aqui

O ciclo de conferências “Conhecer para Decidir, Planear para Agir” é promovido pela Lusomorango, a maior organização de produtores portuguesa do sector das frutas e legumes, e pela Universidade Católica Portuguesa, numa iniciativa de que o Jornal Económico é media partner.
Comentários