Venezuela: 12 das 24 regiões do país estão novamente às escuras

No início do mês, um apagão deixou o país sem energia durante uma semana.

Pelo menos 12 dos 24 Estados da Venezuela estão novamente às escuras, devido a um apagão que ocorreu pouco depois das 11:00 locais (15:00 em Lisboa) e que afetou também a cidade de Caracas.

Além da capital, a interrupção do abastecimento de eletricidade mantém às escuras os Estados de Miranda, Vargas, Carabobo, Falcón, Trujillo, Táchira, Lara, Zúlia, Mérida, Portuguesa e Sucre.

A falha afetou cinco estações do Metropolitano de Caracas, obrigando à interrupção temporária do serviço que, entretanto, está de novo a transportar passageiros entre as estações afetadas.

Entretanto, através do Twitter, a empresa estatal Corporação Elétrica Nacional da Venezuela (Corpoelec) anunciou que “continua a trabalhar arduamente para restabelecer o serviço elétrico”, fazendo referência a Santa Rosa, uma localidade de Caracas que está desde há mais de uma semana às escuras.

No dia 7 de março, uma falha na central hidroelétrica de El Guri deixou a Venezuela às escuras durante uma semana.

As autoridades venezuelanas atribuíram a falha a uma sabotagem. Apesar dos apagões persistirem em várias regiões, mesmo com menor intensidade, aquelas deram o serviço como “recuperado”.

Ler mais
Recomendadas

Bolsonaro vem a Portugal no início de 2020

Jair Bolsonaro, deverá visitar Portugal no início de 2020, disse hoje, em entrevista à Lusa, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo.

Estes são os 10 homens mais admirados do mundo e Cristiano Ronaldo é um deles

O site “Yougov” divulgou esta sexta-feira o ranking dos 20 homens mais admirados a nível mundial em 2019 e nos primeiros dez surge o jogador português, à frente de nomes como Leonel Messi, Dalai Lama e Vladimir Putin.

Depois dos tremores, Merkel garante que condições para continuar chanceler até 2021

“Eu posso desempenhar este papel. Como pessoa, tenho um forte interesse pessoal na minha saúde e, como eu disse, 2021 é a conclusão do meu trabalho político”, garantiu Merkel.
Comentários