Venezuela: há 87% de pobres e 61% vive em pobreza extrema

Os dados da organização não-governamental Coligação de Organizações pelo Direito à Saúde e à Vida alerta que 55% das crianças venezuelanas, com menos de 5 anos, padece de subnutrição.

A Venezuela tem 87% de pobres e 61% da população vive em pobreza extrema, dizem os dados da organização não-governamental Coligação de Organizações pelo Direito à Saúde e à Vida (Codevida).

Os dados foram divulgados pelo presidente da Codevida, Francisco Valência, em Genebra, Suíça, durante uma reunião na ONU, em que alertou que 55% das crianças venezuelanas, com menos de cinco anos de idade, padece de subnutrição.

“A crise, na Venezuela, tem consequências devastadoras para o bem-estar da população e no usufruto dos seus direitos (…), os níveis de insegurança alimentar são altíssimos”, enfatizou.

Os dados, explicou, têm como fontes o Centro de Direitos Humanos da Universidade Católica Andrés Bello (UCAB), a Cáritas e a Organização Panamericana da Saúde.

Por outro lado, Eduardo Trujillo, da UCAB, precisou que mais de oito milhões de venezuelanos comem “duas ou uma vez por dia, e o que ingerem não é nutritivo”.

A crise, a escassez e os altos preços dos produtos fizeram com que “em média os venezuelanos tenham perdido 11 quilogramas de peso, em 2017”, acrescentou.

Por outro lado, ambos os responsáveis explicaram que na Venezuela não há distribuição regular de água potável, falta a eletricidade e a inflação é de 233%, o que fez com que 2,3 milhões de pessoas tenham abandonado o país.

A crise, segundo a Codevida, provocou a migração de 50% dos trabalhadores hospitalares, sobrecarregando de trabalho as enfermeiras que não emigraram, enquanto que milhares de pacientes não recebem tratamento adequado pela falta de medicamentos e materiais médicos no país.

Por outro lado, ressurgiram doenças que já estavam controladas como o sarampo e a malária.

Ler mais
Recomendadas

Motorista do autocarro que teve acidente no Caniço já saiu do hospital

Neste momento, no hospital apenas mantém-se a guia turística que seguia também no autocarro, depois de ter realizado uma segunda intervenção cirúrgica. O SESARAM informa que a guia está a “evoluir favoravelmente”.

Comissão de inquérito às listas de espera arranca com audição ao Iasaúde

A comissão de inquérito arranca com as audições na segunda-feira. Já estão confirmadas as de Pedro Ramos, secretário regional da Saúde, a António Correia de Campos, antigo ministro da Saúde, à direcção clínica e conselho de administração do SESARAM, e ao presidente da Ordem dos Médicos da Madeira.

Deco aconselha a recusar o couvert se não pediu e não quer

A lei que regula as atividades económicas do comércio, serviços ou restauração está estabelece que “nenhum prato, produto alimentar ou bebida, incluindo o couvert, pode ser cobrado se não for solicitado pelo cliente”. Informa ainda que, uma vez colocadas as entradas solicitadas pelo consumidor na mesa, não podem ser trocadas ou devolvidas.
Comentários