Venezuela: há 87% de pobres e 61% vive em pobreza extrema

Os dados da organização não-governamental Coligação de Organizações pelo Direito à Saúde e à Vida alerta que 55% das crianças venezuelanas, com menos de 5 anos, padece de subnutrição.

Carlos Garcia Rawlins / Reuters

A Venezuela tem 87% de pobres e 61% da população vive em pobreza extrema, dizem os dados da organização não-governamental Coligação de Organizações pelo Direito à Saúde e à Vida (Codevida).

Os dados foram divulgados pelo presidente da Codevida, Francisco Valência, em Genebra, Suíça, durante uma reunião na ONU, em que alertou que 55% das crianças venezuelanas, com menos de cinco anos de idade, padece de subnutrição.

“A crise, na Venezuela, tem consequências devastadoras para o bem-estar da população e no usufruto dos seus direitos (…), os níveis de insegurança alimentar são altíssimos”, enfatizou.

Os dados, explicou, têm como fontes o Centro de Direitos Humanos da Universidade Católica Andrés Bello (UCAB), a Cáritas e a Organização Panamericana da Saúde.

Por outro lado, Eduardo Trujillo, da UCAB, precisou que mais de oito milhões de venezuelanos comem “duas ou uma vez por dia, e o que ingerem não é nutritivo”.

A crise, a escassez e os altos preços dos produtos fizeram com que “em média os venezuelanos tenham perdido 11 quilogramas de peso, em 2017”, acrescentou.

Por outro lado, ambos os responsáveis explicaram que na Venezuela não há distribuição regular de água potável, falta a eletricidade e a inflação é de 233%, o que fez com que 2,3 milhões de pessoas tenham abandonado o país.

A crise, segundo a Codevida, provocou a migração de 50% dos trabalhadores hospitalares, sobrecarregando de trabalho as enfermeiras que não emigraram, enquanto que milhares de pacientes não recebem tratamento adequado pela falta de medicamentos e materiais médicos no país.

Por outro lado, ressurgiram doenças que já estavam controladas como o sarampo e a malária.

Ler mais
Recomendadas

Madeira despende cinco milhões de euros no combate ao VIH e Hepatite C

O Governo Regional estabeleceu um contrato-programa com a Associação para o Planeamento da Família (APF) que vai permitir a elaborar de testes rápidos e de diagnóstico de infecção pelo VIH.

PS chama Albuquerque e Pedro Calado à Assembleia para prestar esclarecimento sobre AIMINHO

Em causa está a constituição de Patrícia Dantas, diretora regional da Economia, como arguida no processo que envolve a Associação Empresarial do Minho (AIMINHO), que terá alegadamente criado um esquema fraudulento, envolvendo fundos comunitários, com desvios de pelo menos 10 milhões de euros.

Inaceitável. Reação do CDS-PP Madeira à recusa de Pedro Marques em prestar declarações sobre TAP

O líder do CDS-PP Madeira considera que a recusa do ministro em vir prestar declarações à comissão de inquérito sobre a gestão da TAP, da Assembleia Regional, é “sintomático do valor e do respeito” que o PS tem pelas autonomias.
Comentários